O Ginga, da TV digital, está disponível em portal do governo.


A secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) do Ministério do Planejamento disponibiliza o Ginga ao portal do Software Público Brasileiro.  O Ginga é o midleware (camada de software intermediário) que permite o desenvolvimento de aplicações interativas para a TV Digital pelos produtores de conteúdo, e que independe da plataforma de hardware dos fabricantes …

A secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) do Ministério do Planejamento disponibiliza o Ginga ao portal do Software Público Brasileiro.  O Ginga é o midleware (camada de software intermediário) que permite o desenvolvimento de aplicações interativas para a TV Digital pelos produtores de conteúdo, e que independe da plataforma de hardware dos fabricantes de terminais de acesso. Esses terminais serão necessários nas residências para o recebimento do sinal digital.

O software também possibilitará que os conteúdos sejam exibidos por diferentes sistemas de recepção como televisão, celular e PDAs (Palmtops). O anúncio, a ser feito hoje pelo secretário Rogério Santanna, ocorrerá no Congresso Anual da Sociedade Brasileira de Computação, no Rio de Janeiro.

"Esse é um avanço muito importante para a consolidação da linguagem do middleware da TV digital brasileira", destacou Santanna. Ao desenvolver suas soluções através de um middleware aberto e livre, a indústria nacional seguramente larga na frente dos demais países pela possibilidade de cooperação que se estabelece desde já."

PUBLICIDADE

Segundo o professor do Laboratório TeleMídia do Departamento de Informática da PUC-Rio e responsável pelo projeto, Luiz Fernando Gomes Soares, o middleware do Ginga é o único, no mundo, desenvolvido em software livre. Ele explicou que já existiam ferramentas livres para a transformação de conteúdos em sinal digital, mas ainda não havia nenhuma solução livre para a interface de apresentação dos conteúdos da TV digital para o telespectador. Ele disse que o Ginga é um projeto pioneiro porque reúne essas duas funcionalidades.

O projeto é uma iniciativa de vários grupos que envolvem a Associação de Software Livre (ASL), a Rede de Informações para o Terceiro Setor (RITS), o Comitê para Democratização da Informática de Pernambuco (CDI-PE), do Tangolomango, da Universidade Federal da Paraíba UFPB e da PUC-Rio.

O Ginga ficará disponível a toda a sociedade no portal do http://www.softwarepublico.gov.br, administrado pela SLTI. Com esse compartilhamento, os desenvolvedores do software buscam a melhoria da solução e evolução das suas linguagens. "Queremos democratizar esse conhecimento que é de propriedade pública", afirmou o professor, que acrescenta: "Também sabemos que a disponibilização contribuirá para a sua evolução tendo em vista que um número muito maior de desenvolvedores e programadores terá acesso ao código."

Atualmente, outras sete soluções já estão disponíveis no Portal do Software Público e o número de membros das suas comunidades já ultrapassa 7 mil.

( Fonte: assessoria de imprensa) 

Anterior ICANN estuda reformulações nos domínios de internet
Próximos Nortel nomeia Bandrowckzak para diretor de TI