O fórum do SBTVD-T vira realidade


Com mais de 200 pessoas presentes, ontem, 23 de novembro, após extensíssimas horas de reunião, foi instalado, em São Paulo, o Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre – SBTVD-T, que, até o próximo dia 8 de dezembro substituirá o Comitê Executivo existente. Também foi eleito o conselho deliberativo da entidade, que tem como …

Com mais de 200 pessoas presentes, ontem, 23 de novembro, após extensíssimas horas de reunião, foi instalado, em São Paulo, o Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre – SBTVD-T, que, até o próximo dia 8 de dezembro substituirá o Comitê Executivo existente. Também foi eleito o conselho deliberativo da entidade, que tem como presidente Roberto Franco, do SBT, e vice, Moris Ardit, da Gradiente. Os demais membros são Benjamin Sicsù (Samsung), Marcelo Zuffo (LSI-USP), Carlos Fructuoso (Linear), Jakson Sosa (RF/Telavo), José Marcelo (Record), Fernando Bittencourt (Globo), Laércio Cosentino (Totvs, antiga Microsiga), Guido Lemos (UFPB), Amilcare Dalevo (Rede TV!), Roberto Barbieri (Semp-Toshiba), Manoel Corrêa (Philips).

Ao fim do encontro que, como tantos com tal número de participantes, teve seus momentos de “assembléia de condomínio”, os representantes dos radiodifusores e da indústria parabenizaram efusivamente André Barbosa, um dos sete vogais do fórum, sem cuja mão-de-ferro, disseram, a reunião não teria chegado a bom termo.

SBTVD-T na AL

Sosa, diretor executivo do grupo RF/Telavo, informou que, até 8 de dezembro, os trabalhos serão tocados por um mix entre a Câmara Executiva, cujas atividades se encerram nessa data, e o Fórum recém-constituído (os membros de ambos os grupos, aliás, são praticamente os mesmos), para concluir as especificações técnicas de toda a cadeia de transmissão e recepção, inclusive do middleware. A segunda etapa dos trabalhos, conta Sosa, é tarefa do governo: abrir mercado para o SBTVD-T nos vizinhos da América Latina.

“Nós já entramos em contato direto com os governos do Chile e do Peru, para esclarecer a posição brasileira”, informou André Barbosa, acrescentando que os movimentos feitos pelo país na busca de capacitação interessaram aos países da região. Ele disse, também, que na quarta-feira, 22, chegaram equipamentos japoneses de última geração à Argentina, para realização de testes em Buenos Aires. O ministro Hélio Costa, das Comunicações também está otimista com a possibilidade de adoção do SBTVD-T pela vizinhança latino-americana. Ou parte dela, ao menos.

“O Fórum brasileiro pode ser latino-americano”, disse ele. Quanto ao Chile, tem dúvidas, pois considera a economia do país atrelada demais aos EUA. Mas, na América do Sul, segundo ele, as conversas estão avançadas – casos da Argentina e do Uruguai, por exemplo.

Anterior Concentração e competição: como permitir uma, sem acabar com a outra?
Próximos Alguns percalços na reunião do Fórum