O computador não será mais pessoal, diz Gartner


 

As vendas de computadores pessoais (PCs) da indústria para o comércio (embarque de produtos) no quarto trimestre de 2012 somaram 90,3 milhões de unidades, número 4,9% menor do que o registrado no mesmo período de 2011, de acordo com o Gartner. Para a consultoria, o resultado fraco do segmento é motivado por mais do que um desempenho ruim na economia mundial e desaceleração do consumo, mas indica uma mudança estrutural do mercado de eletrônicos, gerada pelo lançamento dos tablets.

O que ocorreu foi uma mudança de cenário. Se antes se imaginava que cada pessoa teria um tablet e um PC, hoje cada vez mais há indicativos de que os usuários terão um tablet para uso individual e compartilharão um PC. “Alguns indivíduos terão os dois dispositivos, mas serão exceções e não a norma”, afirmou Makako Kitagawa, principal analista do Gartner. Ainda, a consultoria acredita que os consumidores não substituirão PCs domésticos. Em vez disso, endereçarão o consumo para os tablets, uma transformação acionada pela disponibilidade de tablets de baixo custo em 2012, que continuará forte até que estes dispositivos móveis se tornem os dispositivos prioritários de consumo.

A boa notícia para os fornecedores de PCs, seguindo este raciocínio, é que os modelos com configurações mais pesadas serão os mais procurados, de forma que o os preços médios devem subir, à medida que os usuários comecem a trocar seus antigos dispositivos.

Nem mesmo o lançamento do Windos 8, pela Microsoft, foi capaz de dar maior dinamismo ao mercado no quarto trimestre, em que as intenções de compra de final de ano foram canalizadas para dispositivos móveis como tablets e smartphones.

Mercado de PCs por empresas
Neste cenário, a HP retomou a posição de liderança nas vendas de PCs para o varejo no quarto trimestre, mas não elevou o volume de vendas em relação a 2011, de forma que analistas indicam que a empresa abriu mão de parte da margem de lucro para ampliar sua participação de mercado. A HP foi bem sucedida em fechar acordos com grandes varejistas e aproveitando o lançamento do Windows 8.

A Lenovo passou para a segunda posição no mercado de PCs, mas registrou a maior taxa de crescimento (8,2%) entre os cinco maiores fornecedores do mundo, acima da média da América do Norte, Ásia/Pacífico, mas abaixo da média na América Latina e Japão.

Na estimativa da Gartner para o ano de 2012, a HP perderá 6,7% em volume em relação a 2011 e fechará 2012 com 16% de participação. A Lenovo deve registrar crescimento de 14,2% no período ante o ano anterior, com participação de 14,8%. A Dell, na terceira posição, diminuiu o volume de vendas de PCs para o varejo em 12,3% e fechará 2012 com participação de mercado semelhante ao do grupo Acer: enquanto uma terá 10,7%, a outra ficará com 10,4%.

A Asus, que avançou 17,1% no volume de produtos embarcados ao ano 2012/2011, ficará com 6,9% do mercado. A fatia dos demais fabricantes decresceu 6,9% em volume, com uma participação de mercado de 41,3%. (Da redação)

Anterior Notificações de incidentes de segurança na web enviadas ao CERT.br crescem 17% em 2012
Próximos Oi e TIM vão compartilhar rede LTE já na Copa das Confederações