Novo iPhone suportará rede 4G


 

A Apple convidou jornalistas para um evento dia 12 de setembro, quando deverá ser lançado o iPhone 5. Entre as novidades, o aparelho suportará a troca de dados nas redes LTE, chamada 4G no Brasil. O lançamento é fundamental para a própria Apple, uma vez que outras fabricantes como a Samsung e a Motorola Mobility, comprada pelo Google, já mostraram ao mercado smartphones compatíveis com a nova tecnologia.

Mas o lançamento e, principalmente, os países onde o aparelho funcionará em 4G, também impactarão a capacidade das operadoras de venderem pacotes para a rede LTE – que devem ser mais caros e ainda podem desafogar as redes de 3G. Isso porque muitos dos usuários de pacotes de dados têm iPhone (cerca de 24% do total dos smartphones no mundo, segundo o Gartner), são fãs do aparelho e poderão ter resistência a migrar para a nova rede se tiverem de abrir mão do dispositivo com a marca da maça.

4G no Brasil

No Brasil, as redes de 4G ainda estão sendo implementadas e devem estar funcionando, no máximo, até abril de 2013, pelo menos nas cidades sede da Copa das Confederações, conforme regras da licitação das frequências para banda larga móvel LTE. Mas, algumas pessoas já falam em venda de pacotes e aparelhos 4G para o Natal.

O aparelho da Apple, no entanto, não deve chegar ao país a tempo para o início das vendas. A Claro, que já instalou e mantém em funcionamento redes LTE em quatro municípios do país, no entanto, já informou que o primeiro aparelho a suportar 4G por aqui será o Motorola Razr HD, lançado no Estados Unidos na semana passada e que deve ser apresentado por aqui amanhã.

Com isso, a Motorola ganha espaço no mercado brasileiro, enquanto as demais fabricantes de celulares não oferecem tais aparelhos aptos a funcionar na rede de próxima geração no país. Mas tudo pode mudar a depender do prazo para a chegada dos aparelhos da Apple e de seu preço. (Da redação, com agências internacionais)

Anterior GSMA lança projeto de transparência de consumo de dados em roaming
Próximos Um ano de lei do SeAC e Anatel vai abrir Pado contra operadoras controladas por radiodifusores