Novo Banda Larga para Todos terá recursos de Funttel, leilões e concessões


O novo programa de massificação da internet no Brasil, rebatizado pelo ministro André Figueiredo de Brasil Inteligente, será lançado na próxima quinta-feira, 05 de maio. A data é simbólica por ser dia nacional das telecomunicações.

Ele falou a um público de pesquisadores e desenvolvedores de software durante a inauguração do novo laboratório de internet das coisas da Ericsson, localizado em Indaiatuba (SP).

Segundo o ministro, o Brasil Inteligente irá além do que era proposto no Banda Larga para Todos. O novo programa virá dividido em verticais como universalização, educação e inovação.

O eixo universalização traz as metas do antigo Banda Larga para Todos. A ideia é levar banda larga por fibra óptica a 70% das cidades brasileiras, que representam 95% da população. Hoje, 50% das cidades têm tais conexões. Também entra aqui o lançamento do satélite geoestacionário de defesa e comunicação (SGDC), que será usado também para distribuir internet por banda Ka.

O eixo educação prevê a melhora da conectividade em todas as escolas públicas do país. As escolas terão link de 78 mbps em média. Até 2020, todas as 128 mil escolas públicas do país terão o acesso melhorado. Até 2018, a meta é aperfeiçoar a conexão de 40 mil. “Hoje, 70% das escolas têm internet de 2 Mbps.

O terceiro eixo, inovação, fomentará a pesquisa em 5G e internet das coisas, e nele estaria inserido o apoio do Minicom ao laboratório da Ericsson inaugurado nesta sexta-feira.

Recursos
O eixo de pesquisa e inovação do programa Brasil Inteligente será financiado com recursos Funttel (Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações). Segundo ele, serão destinados R$ 600 milhões para incentivar o desenvolvimento de novas tecnologias em 5G e IoT.

“Disso, R$ 200 milhões foram originados do orçamento do ano passado, R$ 200 milhões este ano, e R$ 200 milhões em 2017”, falou. Segundo ele, 40% destes recursos serão destinados a pesquisa por instituições e empresas localizadas no Norte, Nordeste e Centro-Oeste brasileiros.

“O restante virá de leilões de frequências e também com a revisão do modelo, em que vamos colocar para as concessionárias a obrigação de substituir a universalização da telefonia fixa pela universalização da banda larga”. O total prevê investimentos de R$ 9 bilhões.

Para ter um mínimo de garantia que o Brasil Inteligente não seja descontinuado caso haja mudança no governo, a presidente Dilma Rousseff vai defini-lo por decreto. “O decreto trará toda a descrição orçamentária para que aconteça, para que ele apareça na lei orçamentária”, disse Maximiliano Martinhão, secretário de telecomunicações do Minicom.

Anterior Algar Telecom pode emitir debêntures para financiar banda larga
Próximos Minicom planeja portaria para garantir existência de internet ilimitada

1 Comment

  1. 4 de Maio de 2016

    Muito interessante as palavras do ministro. Só que infelizmente esse recurso não chega até aos pequenos provedores, para melhorar a velocidade e baixar o custo da internet. Sou de um provedor do estado de Mato Grosso (CentroOeste) e estamos a 300 km da capital, pois, pagamos um absurdo para trazermos link dedicado da capital para nossa região. E tentamos recurso para lançarmos cabo óptico para baratear o nosso custo e podermos também repassar isso aos nossos clientes mas infelizmente esse dinheiro só chegam as grandes operadoras.