Novo aumento de capital da Oi acontece a partir da próxima semana


Designed by Freepik
Designed by Freepik

A Oi inicia seu novo aumento de capital na próxima semana. A partir de 22 de novembro, acionistas poderão exercer o direito de subscrição de ações. Ao todo, a companhia vai emitir 3.225.806.451 novas ações ordinárias, ao preço de emissão de R$ 1,24 (um real e vinte e quatro centavos) por ação. Com isso, espera angaria R$ 4 bilhões.

Poderão subscrever as ações os acionistas que tiverem papeis da companhia até o dia 19 de novembro. Os direitos de preferência podem ser exercidos no prazo de 30 dias corridos, começando na abertura do mercado do dia 22 de novembro de 2018 e terminando no fechamento do mercado do dia 26 de dezembro de 2018.

Cada ação ordinária e cada ação preferencial dará ao titular o direito à subscrição de 1,333630 Novas Ações Ordinárias. Os acionistas também poderão pleitear direito a sobras de ações, caso não haja interessados na proporção inicial definida. O direito pelas sobras poderá ser exercido entre 3 e 7 de janeiro.

A emissão de ações é parte do plano de recuperação judicial pelo qual passa a Oi. O plano previa dois aumentos de capital. O primeiro, realizado no início do ano, converteu dívida nas mãos de credores em participação social. O novo aumento de agora, prevê o aporte de dinheiro novo, que será destinado ao fortalecimento do caixa da companhia. Parcela do montante será usado na ampliação do Capex, tanto para investimentos em rede fixa, quanto na móvel.

A Oi comunicou hoje também a seus acionistas que a SEC – a CVM – norte-americana deu o aval para o aumento de capital anunciado.

Justiça

O Tribunal de Justiça do Rio julgou hoje, 13, os agravos da Bratel (veículo da portuguesa Pharol na Oi), contra as decisões do Conselho de Administração e da assembleia que davam continuidade ao plano de recuperação judicial e aprovava esse novo aumento de capital. A decisão foi unânime contrária.

Anterior "Fust virou tributo", admite Duarte, da Fazenda
Próximos O coronel Elifas Gurgel poderá voltar para a Anatel?