Nove empresas se cadastram no leilão da Anatel, inclusive AT&T


Nove empresas se credenciaram para comprar frequências de 1.800 MHz e de 2.500 MHz FDD (para celular) no leilão da Anatel, cuja abertura de propostas se dará no próximo dia 17 de dezembro. Na lista dos interessados, algumas surpresas, como o ingresso de empresas sob o nome fantasia e mesmo a participação da Sky, cuja expectativa era de sua presença apenas na disputa por frequências regionais de banda larga fixa. Com isso, a AT&T mostra que está interessada em entrar no mercado de telefonia móvel brasileiro.

A lista dos que apresentaram garantias para os lotes A e B do leilão da Anatel, cuja abertura de propostas ocorrerá no próximo dia 17 de dezembro é surpreendente, pois nesses dois lotes estão as frequências para a telefonia móvel celular. Neles estão sendo vendidas faixas de 1.800 MHz na região metropolitana de São Paulo, e outras sobras de frequências pelo interior do país. E muitos lotes de frequências em 2.500 MHz em FDD (Frequency Division Duplex) por todo o país.

Para esses dois lotes, a Anatel exigiu a apresentação de garantias e haverá disputa em leilão aberto entre aqueles que apresentaram propostas.

A lista dos que disputam esses lotes é a seguinte

  • Claro
  • Clivo participações
  • Lig Telecomunicações
  • Nextel
  • Sercomtel
  • Sky
  • Telefônica
  • Tim
  • TPA Telecomunicações.

A presença de Claro, Telefônica e TIM não traz surpresas, pois o mercado acreditava que elas iriam mesmo comprar mais espectro em FDD na faixa de 2,5 GHZ. Ontem, o presidente da TIM, Rodrigo Abreu, em coletiva à imprensa, c0nfirmava o seu interesse.

A ausência da Oi, que  não compareceu no leilão de 700 MHz promovido o ano passado pela Anatel, também foi registrada pelo mercado. A presença da Nextel também já era aguardada, principalmente para arrematar  a faixa de 1.800 MHz, que não pode ser comprada pelos atuais operadores de celular. Mas a presença de três outras empresas com nomes fantasias poderá significar uma disputa também nessa frequência.

Mas o mais impactante é mesmo a presença da Sky na entrega de garantias para esses lotes. Isto porque esses lotes contêm espectro para a telefonia móvel celular e a AT&T, nova da operadora de TV paga brasileira, estava sinalizando que não tinha muitas ambições para o mercado latino-americano.

Esta semana o CEO da gigante norte-americana, Randall Stphenson, disse em conferência a investidores norte-americanos que iria deixar as operações da Sky- Direct TV atuando sem muitas mudanças. E chegou mesmo a admitir estudar a venda dessas operações. Embora tenha dito também que não gostava de empresas com “um único produto”.
O mercado esperava que, no máximo, a Sky fosse entrar com fôlego na diputa pelo Lote C, este voltado para os pequenos provedores regionais  para novos entrantes. Isto porque a Sky já tinha comprado frequências de 2,5 GHz em TDD na licitação passada e imaginava-se que ela iria continuar com esta trajetória.

LOTE C

A Anatel ainda vai divulgar a relação das empresas que também apresentaram propostas para o lote C. Como são quase 15 mil pedaços de faixa à venda nas frequências de 1.900 MHz TDD e de 2.500 MHz TDD, e com critérios de participação bem mais facilitados, o número de interessados é bem grande.

 

 

 

 

 

 

Anterior TCU manda Anatel abrir a lista de bens reversíveis e dizer quanto já foi vendido
Próximos As maiores ameaças digitais de 2016, segundo a Blue Coat

1 Comment

  1. 10 de dezembro de 2015

    Pelo silencio dos menores interessados no lote C, era de se esperar uma grande participação realmente. Muitos perderam o prazo por não terem acompanhado a movimentação e deixaram, como sempre, pra ultima hora (normal). Cremos ser um passo muito importante para o mercado dos pequenos, por questões da própria sobrevivência, já que a própria agencia reguladora que pulverizar ainda mais a rede dando oportunidades para quem quiser entrar no ramo com 5000 clientes ou menos. isso é uma bobagem, imaginem quanta besteira irá ocorrer nessa proliferação de oportunistas inexperientes e sem regulação. teremos um mercado mais poluído e senário de guerra.