Novas frentes da Copel Telecom


Tele.Síntese Análise 379 Novas frentes da Copel Telecom   A Copel Telecom decidiu potencializar o uso de sua rede de fibra óptica, que chega aos 399 municípios do Paraná. A estatal, que até agora vendia capacidade no atacado, vai para o varejo, ofertando acesso à internet para clientes residencias e pequenas e médias empresas. O …

Tele.Síntese Análise 379

Novas frentes da Copel Telecom

 

A Copel Telecom decidiu potencializar o uso de sua rede de fibra óptica, que chega aos 399 municípios do Paraná. A estatal, que até agora vendia capacidade no atacado, vai para o varejo, ofertando acesso à internet para clientes residencias e pequenas e médias empresas. O serviço começou pela cidade de Irati, na região Centro-Oeste do estado, onde a empresa já conquistou 400 clientes (90% residenciais) para o Bel Fibra (Banda Extra Larga via Fibra Óptica), nome dado ao serviço de acesso banda larga, que usa a tecnologia GPON.

 

Na fase inicial, a operadora vai cobrir 25 cidades para testar o modelo, fazer ajustes e medir o retorno do investimento, conforme informou Antonio Carlos de Melo, superintendente de Telecomunicações da Copel: “Até 2014, queremos chegar com o acesso em mais 25 municípios. Como estamos saindo do atacado para o varejo, queremos primeiro fazer experiências pequenas, consolidar o modelo, seja de ativação, manutenção, bilhetagem ou call center para entrar com mais força no ano seguinte”.

 

Mas a meta é mais ambiciosa e inclui a oferta de serviços de valor adicionado, como o de voz, em parceria com a Sercomtel, de TV por assinatura, video on demand e serviços na nuvem. “Hoje a conectividade é um diferencial, mas amanhã será apenas um meio para a oferta de serviços”, justifica Melo.

 

A estratégia da Copel é excluir as 30 maiores cidades do Paraná, onde existe mais de uma operadora, e concentrar suas vendas nos demais municípios. “Queremos cobrir os municípios onde não há concorrência para sermos uma opção de mercado”, comentou o superintendente.  

 

Além de Irati, município com 54 mil habitantes, a Copel já oferece acesso em Curitiba, onde tem pouco mais de mil clientes (70% residenciais e 30% empresariais), e no final de abril começa a oferecer o Bel Fibra em Ponta Grossa. “Em Curitiba e Ponta Grossa entramos nesse mercado (de acesso) por uma questão técnica, porque havia necessidade de aumentar a capacidade da rede e colocamos a tecnologia GPON”, explicou Melo.

 

Para oferecer o acesso, a Copel obteve na Anatel uma licença SCM para todo o Brasil – até o ano passado tinha SCM para a região II. “Pedimos uma licença nacional porque a Copel Energia está se expandindo, tem empreendimentos de energia em dez estados, e acabamos fazendo operações para dar suporte ao negócio”, conta Melo. No Paraná, a Copel Telecom conta com a base de dados de clientes da Copel Energia (4 milhões de consumidores) para ofertar seus serviços.

 

Na fase inicial, a operadora oferece o Bel Fibra nas velocidades de 20 Mbps a 100 Mbps. Quem contrata de 60 Mbps para cima ganha um roteador WiFi e quem opta pelo pacote, com VoIP, tem R$ 20 de desconto. Neste caso, o acesso a 20 Mbps, que custaria R$ 109,90, cai para R$ 89,90. “Como usamos a tecnologia GPON e colocamos a fibra dentro da residência, estamos trabalhando para oferecer, por meio de parcerias ou numa operação da própria Copel, serviços de valor adicionado, não só de TV paga mas também de nuvem e video on demand ainda este ano”, disse Melo.

Anterior Queda da rentabilidade reduz margem de manobra das concessionárias locais
Próximos Conselho adia reunião para manter sintonia com anúncio pró-consumidor de Dilma