Notebook barato terá financiamento especial


A exemplo do “Computador para todos”, que conta com linhas especiais de financiamento para computadores que custam até R$ 1.400,00 e atendem a uma configuração mínima de hardware e pacote de softwares, o governo federal vai lançar um programa para notebooks com preço que não supere os R$ 2 mil. No momento, segundo Cezar Alvarez, …

A exemplo do “Computador para todos”, que conta com linhas especiais de financiamento para computadores que custam até R$ 1.400,00 e atendem a uma configuração mínima de hardware e pacote de softwares, o governo federal vai lançar um programa para notebooks com preço que não supere os R$ 2 mil. No momento, segundo Cezar Alvarez, assessor especial da Presidência da República e coordenador do programa, o governo está definindo as especificações mínimas do equipamento, que terá financiamento do BNDES para a rede varejista.

Dos R$ 300 milhões disponíveis para financiamento do “Computador para todos”, o BNDES só conseguiu emprestar R$ 176 milhões em 2006. Este ano – a renovação da linha de financiamento foi anunciada na semana passada –, a expectativa é atrair, para o programa, um maior número de cadeias varejistas. Com o selo do programa, tinham sido vendidos até agosto, de acordo com pesquisa realizada pela IT Data para a Abinee, 265 mil micros. Mas muito computadores, com preço inferior a R$ 1.400,00 foram comercializados fora do programa e sem financiamento do BNDES. “Chegamos a ver oferta de computador a R$ 890,00”, comenta José Luiz Aquino, assessor do programa. O que explica o aumento de 43%, segundo algumas estimativas, nas vendas de computadores, que devem ter atingido os 8,3 milhões em 2006.

Além da renovação da linha do BNDES e da entrada de notebooks no programa, a assessoria especial da Presidência da República pretende lançar um pacote especial para professores. As condições ainda estão em análise e podem envolver negociação com estados e municípios, que são os responsáveis pela rede pública de ensino.

Anterior Tarifa de telefonia na Argentina deve continuar congelada
Próximos Lucro da Intel cai, mas não desagrada investidores.