Nortel planeja crescer no mercado corporativo


O plano de negócios da Nortel para 2009 é focar mais na vertical enterprise, aumentando os negócios no segmento corporativo, tanto nas grandes empresas e bancos quanto nas pequenas e médias empresas que constituem o chamado Small Business (SMB) e menos no mercado de operadoras de telecomunicações que, hoje, ainda responde por 75% dos negócios …

O plano de negócios da Nortel para 2009 é focar mais na vertical enterprise, aumentando os negócios no segmento corporativo, tanto nas grandes empresas e bancos quanto nas pequenas e médias empresas que constituem o chamado Small Business (SMB) e menos no mercado de operadoras de telecomunicações que, hoje, ainda responde por 75% dos negócios mundiais da companhia. “Embora o segmento corporativo represente a menor parcela na receita da empresa, é um setor em crescimento, enquanto o de carriers está consolidado”, justificou o novo presidente da Nortel Brasil, Carlos Brito, em encontro realizado hoje com a imprensa. Brito assumiu o lugar de Juan Chico, promovido a vice-presidente global da LG-Nortel para o segmento de pequenas e médias empresas. 

A composição da receita no Brasil, e demais países da América Latina, não é muito diferente dos percentuais mundiais, estimada em 80% operadoras e 20% setor corporativo. Para ampliar os negócios no segmento corporativo, uma das estratégias da Nortel é fazer novas alianças, a exemplo das parcerias que já tem com a LG (na produção de equipamentos de voz e dados para pequenas e médias empresas) e com IBM e Microsoft, o que permitiu a Nortel melhorar a produtividade na área de comunicação unificada. “Essas alianças estratégicas vão nos ajudar a endereçar novas áreas de crescimento”, acredita Brito.

Outra iniciativa será ampliar o número de canais. A meta inicial de 350 revendas ativas neste ano já foi superada e o objetivo é chegar em 2010 com mil revendas. Por meio desses canais a empresa espera aumentar as vendas principalmente de seus equipamentos IP. “Vamos buscar, inclusive, canais alternativos para aumentarmos nossa capilaridade”, comentou Brito. Faz parte ainda da estratégia da companhia canadense  atuar no setor de serviços, desenvolvendo aplicações para conectividade e prestando serviços como integradora.

Contrato com a Vivo

Apesar do foco no corporativo, a Nortel continua atendendo operadoras no Brasil. Brito destacou os negócios com a Embratel e informou que acaba de fechar um contrato para fornecer softswitch para a Vivo, sem, no entanto, divulgar detalhes do contrato que será anunciado em breve. 

Anterior Freqüência de TV analógica vai para a internet móvel na França
Próximos Demanda individual supera uso corporativo em terminais inteligentes