Nono dígito garantirá mais 370 milhões de números de celulares em SP


A decisão do Conselho Diretor da Anatel de adicionar o nono dígito nos números dos celulares da área 11 elevará a capacidade de numeração na região metropolitana de São Paulo para 370 milhões, eliminando definitivamente o problema de escassez de numeração nessa área. A outra solução, que chegou a ser considerada pela Anatel em Consulta Pública (a criação de um código nacional 10 sobreposto ao 11) resultaria na oferta de apenas 37 milhões de números.

A escolha da Anatel pela solução de aumentar em um dígito o número dos celulares levou em consideração, particularmente, a facilidade de assimilação da mudança pela população, diz a agência. Mas as operadoras reclamam do alto custo da implantação, avaliado em R$ 300 milhões.

As prestadoras terão prazo de 24 meses para implementar a possibilidade de discagem de um novo dígito à esquerda nos números de todos os celulares da área 11. Posteriormente, o nono dígito será estendido para os celulares de todo o país.

Até lá, a Anatel decidiu adotar medidas complementares que ampliarão a disponibilidade de números, evitando o esgotamento prematuro da numeração:
• utilização de numeração específica para os modems 3G e outros dispositivos que não façam comunicação de voz. O objetivo é destinar estes códigos de acesso para os usuários do Serviço Móvel Pessoal (SMP) que façam comunicação de voz;
• implantação de mecanismos de alocação dinâmica de numeração que permita a atribuição de numeração ao chip somente no momento da ativação do usuário. A medida possibilitará otimização da logística e administração dos recursos de numeração pela Prestadoras;
• redução do período de quarentena de 180 dias para 90 dias para reutilização da numeração liberada pelos usuários, o que permitirá o retorno de números não utilizados ao mercado mais rapidamente;
• identificação de outras séries de numeração que possam ser utilizadas no SMP, como o prefixo 5.

O Conselho decidiu ainda instituir um Grupo de Trabalho, coordenado pela Anatel, e composto por representantes das prestadoras, para acompanhamento da implementação dessas medidas.(Da redação, com assessoria de imprensa)

Anterior Guerra de liminares pode marcar leilão da banda H
Próximos Anatel é parte obrigatória em ações coletivas contra teles