Nokia voltará a fazer celulares?


Muito se especula sobre quando a Nokia, que foi a maior fabricante e vendedora de celulares do mundo na década passada, voltará ao mercado de dispositivos. Executivos da empresa já afirmaram que isso vai acontecer, através de licenciamento e parceria com fabricantes OEM, uma vez que a finlandesa se desfez de suas fábricas com a venda para a Microsoft.

Ontem, Robert Morlino, porta-voz da Nokia Technologies, divisão da companhia que administra a propriedade intelectual, divulgou uma nota em que pergunta: “a Nokia voltará a ao mercado de dispositivos móveis?” E responde: “É complicado”.

A nota, escrita para aplacar as especulações sobre o assunto, lembra que a empresa não tem mais capacidade produtiva para fazer aparelhos móveis, como tinha antes do negócio com a Microsoft. Na venda, que vem representando problemas à Microsoft, foram entregues as fábricas, canais, divisão de marketing e pessoal especializado.

“A Nokia de hoje é focada no mundo conectado, através da infraestrutura de redes móveis, serviços de localização e mapeamento, tecnologia e licenciamento”, enumera. Morlino confirmou o que já se sabia, de que a empresa pretende voltará ao mercado de celulares. Ele deixou claro que não pretende fazer investimentos em produção para pavimentar este retorno. “Queremos trazer um design icônico e inovação a este setor. E o faremos de uma forma bem diferente do que fazíamos”, diz.

O modelo será via licenciamento de marca. Um, ou mais, parceiros, serão responsáveis por fabricar, vender, fazer o marketing e dar o atendimento ao cliente para os futuros aparelhos com marca Nokia. “Se, e quando, um parceiro de nível mundial se habilitar, trabalharemos juntos para garantir a diferenciação do produto”, observa, citando como exemplo o tablet Nokia N1 Android, feito pela Foxconn.

Ele lembrou ainda que, por contrato com a Microsoft, a Nokia não poderá voltar ao mercado de celulares antes do quarto trimestre de 2016. “Portanto é seguro dizer que a Nokia não voltará, ao menos na forma de celular, antes disso”, finaliza.

Anterior Empresas de TICs apresentam nova proposta para desoneração da folha ao Senado
Próximos Huawei compra empresa na Irlanda