Nokia Networks entra no mercado de infraestrutura para a nuvem


Nokia Airframe_cloud rack
O rack criado para guardar os servidores e switches AirFrame, para telco cloud, da Nokia.

A Nokia Networks anunciou hoje (1) sua entrada no mercado de infraestrutura para a nuvem. A companhia finlandesa lançou uma solução para data centers, mas mantendo o foco em telecomunicações. O produto, chamado AirFrame Data Center, tem o objetivo de atender às necessidades das operadoras de telecomunicações que buscam virtualizar funções de rede.

De acordo com Sandro Tavares, diretor de desenvolvimento de negócios para telco cloud da Nokia, a ideia do produto é prover a infraestrutura para migração das aplicações de telco para a nuvem. Ele explica que o AirFrame propõe uma arquitetura distribuída, para que as operadoras mantenham diversos data centers, entregando serviços e dados aos clientes com a mínima latência e sobrecarga do backbone.

“As redes do futuro serão mais rápidas. O 5G terá latência de menos de 1 milissegundo e capacidade de transmissão de pelo menos 10 Gbps. Esse produto leva em conta aplicações específica das telcos, como packet core e integração do backbone ao rádio”, afirma.

A Nokia garante que a plataforma é aberta, podendo ser configurada de acordo com as especificações de cada operadora. Diz também que é compatível com sistemas de outras empresas. É possível, no mesmo data center com o AirFrame, instalar orquestradores NFV de outras companhias, por exemplo.

O AirFrame é, também, compatível com as instalações de data center usadas atualmente, funcionando como um upgrade. O conjunto conta com um servidor em nuvem e um switch top of rack compatível com Openflow. A empresa entrega também sua solução de rack para otimizar o espaço da instalação. Tudo é equipado com processadores Intel, de arquitetura Haswell (x86). No pacote, as operadoras podem contratar os serviços de planejamento da infraestrutura de data center, implantação e consultoria.

“Estes mesmos servidores vão poder ser usados para rodar qualquer aplicação compatível com ambientes virtualizados. O mesmo data center vai ter NFV, servidores de e-mail e e-commerce, serviços de SaaS”, afirma Tavares. O executivo não abre quanto a companhia investiu para desenvolver o produto, nem estima o mercado potencial para telco IT (infraestrutura de data center para operadoras) até o próximo ano. Segundo ele, a demanda é grande e já existem teles mundo afora testando a nova solução. A Nokia não revela, porém, quais.

Tavares evita prever a evolução deste mercado. Segundo ele, os Estados Unidos são o país onde atualmente mais se debate a necessidade de soluções de telco IT. Ele pondera, porém que isso não significa que seja o primeiro país a usar as soluções recém-lançadas. “Ásia e Europa também debatem a adoção, mas na América do Norte a discussão está mais avançada”, conclui.

Anterior CPqD demonstra versão nacional do 4G em 700 MHz
Próximos Correios têm pequeno lucro, mesmo com redução de provisão de R$1 bi para o fundo de pensão