No Nordeste, apenas 8,5% das casas têm computador.


O Brasil ainda tem muito caminho para trilhar, antes de vencer as barreiras da inclusão digital e chegar a todas as regiões do país. Para comprovar essa afirmativa, basta observar os resultados da segunda pesquisa sobre o Uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação no Brasil (TIC) – 2006, realizada pelo Núcleo de Informação …

O Brasil ainda tem muito caminho para trilhar, antes de vencer as barreiras da inclusão digital e chegar a todas as regiões do país. Para comprovar essa afirmativa, basta observar os resultados da segunda pesquisa sobre o Uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação no Brasil (TIC) – 2006, realizada pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, braço executivo do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGIB). A pesquisa mostrou que 54,3% dos brasileiros nunca usaram computador na vida e 66,7% nunca navegaram pela internet.

A pesquisa também destacou que somente 19,6% dos lares nacionais possuem computador. Ao analisarmos os dados por área, o Nordeste é a região que tem o menor percentual de lares com PC, apenas 8,5%, e o  Sul é a região com o maior número de residências com micros, 24,63%. As entrevistas foram realizadas presencialmente em 10.510 domicílios em todo o território nacional aplicadas a pessoas com mais de 10 anos.
 
As amostras permitem a apresentação dos resultados por região, classe social, renda familiar, instrução, idade e sexo. Esta segunda pesquisa foi realizada entre os meses de julho e agosto de 2006. Como na edição do ano anterior, a pesquisa mediu a penetração e uso da internet em domicílios, incluindo módulos como acesso às tecnologias da informação e da comunicação, uso do computador, e uso da internet, entre outros.
 
Os dados da pesquisa estão disponibilizados na página do Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação – Cetic (www.cetic.br). Este grupo faz parte do CGIB e é responsável pela produção de indicadores e estatísticas sobre a disponibilidade e uso da internet no Brasil, divulgando análises e informações periódicas sobre o desenvolvimento da rede no país.

Anterior WiFi pública para pequenas cidades dos EUA
Próximos STJ confirma assinatura básica