No mercado, o iG Empresas Brasil Telecom.


A Brasil Telecom anunciou hoje, 19, o lançamento do iG empresas, que reúne os serviços empresariais dos três provedores de acesso da operadora, os portais iG, iBEST e BrTurbo. O empreendimento já inicia atividades com uma carteira de 70 mil clientes empresas, que pretende mais do que dobrar até 2007, para chegar aos 150 mil …

A Brasil Telecom anunciou hoje, 19, o lançamento do iG empresas, que reúne os serviços empresariais dos três provedores de acesso da operadora, os portais iG, iBEST e BrTurbo. O empreendimento já inicia atividades com uma carteira de 70 mil clientes empresas, que pretende mais do que dobrar até 2007, para chegar aos 150 mil usuários. Do back log inicial, os executivos não sabem precisar qual é a participação de micro e pequenas organizações que, garantem, terão o atendimento que merecem e ainda não dispõem. “Se o cliente quiser um atendimento corporativo, pagando como usuário residencial, pode vir para o iG Empresas, que conseguirá”, garante Caio Túlio Costa, principal executivo (CEO) do Internet Group.

Entre os serviços do iG Empresas incluem-se hospedagem de sites (com construção de portais), revendas (que alugam capacidade e oferecem hospedagem aos clientes), servidor dedicado, domínio (com gestão), correio eletrônico (idem), acesso em banda larga. Os preços partem de R$ 14,90 mensais (plano básico que inclui hospedagem de um site com 100 MB de disco e correio com 50 caixas postais), valor que aumenta proporcionalmente ao consumo de internet do usuário.

Diversificação

Com o iG Empresas, a BrT pretende diversificar seu modelo de negócios e segmentos de atuação na internet, além, naturalmente, de fundir as marcas dos três portais, diz Costa. Para ele, uma amostra de que o modelo da empresa é vencedor está no relatório Ibope-NetRatings de agosto, segundo o qual, o único portal que cresceu em audiência foi o iG.

Detalhando a oferta de serviços do iG Empresas, André Molinari, diretor de produtos e serviços, diz que o objetivo é transformar o serviço no one stop shopping do cliente, por exemplo, incluindo nos conteúdos, serviços de informações sobre licitações, o Sebrae, portal do exportador, entre outros. A seu ver, 90% das pequenas e médias empresas estão fora da internet porque faltam soluções adequadas às suas necessidades.

Um dos alvos de negócios do iG Empresas são mercados verticais como, por exemplo farmácias, ilustra Bruno Sena, diretor-geral do iG Brasil Telecom. Entre os canais de vendas do iG Empresas ele inclui a própria internet, central de atendimento, parceiros de desenvolvimento e revendas (hoje, são 150, oriundas da BrTurbo). Quanto à geração de receita do empreendimento, a principal será assinatura de serviços, mas haverá também faturamento de links patrocinados. E, naturalmente, a que virá do tráfego adicional da operadora de telecomunicações.

Anterior Participação da Vivo continua em queda e TIM cresce
Próximos Minicom vai usar voz sobre IP para interligar pontos do Gesac