No Brasil, internautas navegam cada vez mais rápido.


Em novembro de 2006, pelos últimos dados divulgados pelo Ibope/NetRatings, o número de usuários residenciais que navegaram pela web com conexões em alta velocidade cresceu mais do que o número total de internautas, em relação ao mesmo mês de 2005. Ou seja, em novembro passado, o batalhão de 10,7 milhões de usuários internet residenciais com …

Em novembro de 2006, pelos últimos dados divulgados pelo Ibope/NetRatings, o número de usuários residenciais que navegaram pela web com conexões em alta velocidade cresceu mais do que o número total de internautas, em relação ao mesmo mês de 2005. Ou seja, em novembro passado, o batalhão de 10,7 milhões de usuários internet residenciais com conexões em alta velocidade aumentou 43% em comparação com o mesmo mês de 2005 (7,5 milhões), ao passo que o número total de usuários ativos (que navegaram pelo menos uma vez no mês) cresceu 16%, em idêntico período, isto é, de 12,5 milhões para 14,5 milhões.

No Brasil, como no resto do mundo, o tipo de conexão banda larga mais usada é o ADSL. Em novembro, informa José Calazans, analista de internet do Ibope Inteligência, aproximadamente 34% dos internautas de banda larga tinham links ADSL (3,6 milhões de usuários residenciais); cerca de 14% dispunham de conexões de cabo; algo como 25% usavam tecnologia de banda larga indeterminada.

Calazans destaca que, mês a mês, é visível o crescimento no número de internautas que navegam em banda larga. Em novembro, esses usuários representavam 74% do total de usuários internet residenciais; em outubro, 72% do total. Comparados os navegadores em alta velocidade em novembro de 2006 e novembro de 2004, o aumento foi de 91%, aponta o analista. Essa expansão na velocidade de uso da web tem conseqüências, observa Calazans: maior utilização de sites mais pesados, como os de vídeos, e comunicação por mensagens instantâneas.

Anterior Declaração de Costa sobre rede estatal de TV causou "estranheza" a fórum de TVs públicas
Próximos Motorola: no quarto trimestre, vendas abaixo das previsões.