NIC.br garante internet mais segura e rápida no Brasil


O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br),  instalou 14 cópias anycast do servidor L da Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN), com o objetivo de melhorar o acesso à rede no país e contribuir de forma relevante para a estabilidade da internet. A melhoria só foi possível devido à cooperação da ICANN.

A partir de hoje, as cópias de l.root-servers.net operam juntamente com servidores do .br nos Pontos de Troca de Tráfego no Brasil (PTTMetro).Das atuais 20 localidades que contam com Pontos de Troca de Tráfego do PTTMetro, as 14 que serão atendidas por essa melhoria são Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Londrina, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo, São José dos Campos, Belém e Natal. Com isso, as cinco regiões do país serão beneficiadas pela nova infraestrutura de resolução de nomes.

Somados aos servidores que já existiam em operação, essa infraestrutura amplia substancialmente, e de forma distribuída, a capacidade de resolução de nomes e consequentemente a capacidade de superação para suportar possíveis abusos ou ataques aos serviços DNS.

PUBLICIDADE

De acordo com Frederico Neves, diretor de serviços e tecnologia do NIC.br, “essa nova infraestrutura diminui o tempo de reposta para domínios de todo o mundo no Brasil, mas seu impacto mais relevante é o grande aumento na segurança, ao distribuir a conectividade internacional para o serviço de resolução de nomes junto à raiz da internet dentro do país e de forma independente”.

Milton Kaoru Kashiwakura, diretor de projetos especiais e de desenvolvimento do NIC.br destaca: “esses servidores trazem mais conteúdo essencial para o funcionamento da rede diretamente nos pontos de troca de tráfego. Essa operação só foi possível pois tivemos uma colaboração, no melhor espírito da Internet, das instituições que hospedam os pontos do projeto PTTMetro no Brasil e em especial a RNP, que não mediram esforços para que isso acontecesse.”

Joe Abley, diretor de operações DNS da ICANN ressalta: “Servidores-raiz de nomes são uma parte crítica da Internet. Esses novos servidores distribuídos no Brasil fazem parte de um esforço global para melhorar o tempo de resposta, a segurança e a estabilidade do DNS geral, para todos os usuários.”

O servidor L é um dos 13 servidores originais da Internet no mundo (havendo dez instalados nos Estados Unidos, dois na Europa e um no Japão) e é administrado pela ICANN. Uma limitação tecnológica impede que os servidores originais sejam mais de 13, então foi desenvolvida uma técnica chamada “anycast”, que permite criar clones desses servidores raiz (chamados espelhos), os que uma vez operativos, não podem ser distinguidos dos originais.(Da redação, com assessoria de imprensa)

Anterior Anatel vai ter sistema para monitorar on-line a rede brasileira de telecom
Próximos Venda de celulares para o Dia das Mães pode ultrapassar 6 milhões de unidades