Nextel tem 156 torres à espera de licenciamento em São Paulo


Roberto Rittes, CEO da Nextel. (Foto: Luiz França/Divulgação Câmara SP)

A Nextel foi a quinta operadora móvel convocada por vereadores de São Paulo para comparecer na CPI das Antenas. A comissão pretende investigar quantas torres na cidade são irregulares e cruzar a informação com o montante devido em multas por parte das operadoras.

Roberto Rittes, presidente da Nextel, falou hoje, 3, aos vereadores que a empresa usa 677 sites na capital paulista. Desses, 489 são alugados. Os 188 restantes são próprios, sendo que apenas 32 estão regularizados. De acordo com o executivo, 156 aguardam o fim do trâmite de licenciamento da prefeitura.

Segundo ele, a Nextel recebeu 17 multas nos últimos anos na cidades, que somam R$ 720 mil. O valor está inscrito na dívida ativa, mas ainda não há prazo para o pagamento pois a empresa as questiona. “A contestação das multas faz parte do processo legal de recurso [administrativo]. A diretriz da empresa é a não judicialização, inclusive, cinco antenas foram desativadas e retiradas após decisão judicial”, afirmou o executivo.

A expectativa dos vereadores é fazer com que as operadoras aceitem acordo de parcelamento com o município, deixando de questionar o valor das dívidas e passando a pagar o montante devido. Estimativas apresentadas por eles dão conta de que todas (Claro, Oi, Nextel, TIM e Vivo), além de empresas de infraestrutura (American Tower, Phenix e Brazil Towers Company) devam mais de R$ 70 milhões em multas. Essas multas foram geradas não apenas por falta de licenciamento, há também cobranças de ISS.

Outro ponto questionado pelos parlamentares foi a situação financeira da Nextel. Segundo Rittes, atualmente a empresa opera somente nas regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro. A Nextel informou ter investido, nos últimos cinco anos, R$ 205,5 milhões na infraestrutura de transmissão na capital paulista – desse total, R$ 68,5 milhões foram apenas em 2018.

Em março, a Nextel foi comprada pela Claro por R$ 3,5 bilhões. “Estamos aguardando o aval do CADE [Conselho Administrativo de Defesa Econômica] para oficializar a transação. Com isso, a Claro assumirá todos os ativos e passivos da Nextel, inclusive a infraestrutura da empresa, como as antenas da capital”, destacou o presidente da Nextel.

Na avaliação do presidente da CPI, vereador Claudinho de Souza (PSDB), a compra da Nextel pela Claro, ainda que pendente da aprovação do CADE, esvaziou o depoimento desta terça-feira. “Com a mudança no controle da empresa, talvez esses não fossem os representantes que deveriam responder às nossas perguntas. Mas fica cada vez mais claro que as empresas não conseguem cumprir a legislação, o que causa esse enorme transtorno”, disse o vereador, que na semana passada defendeu a atualização da lei de antenas na cidade.

Os vereadores aprovaram na reunião desta terça-feira dois requerimentos do sub-relator da comissão, vereador Camilo Cristófaro (PSB). Ele pediu nova convocação dos presidentes da American Tower do Brasil e Brazil Tower, empresas que possuem antenas na cidade de São Paulo. O presidente da American Tower já havia prestado esclarecimentos à comissão no dia 21 de maio, e o presidente da Brazil Tower depôs no dia 13 de agosto. (Com assessoria de imprensa)

Anterior STFC desliga 233 mil acessos em julho
Próximos Futuro da Zona Franca de Manaus ainda gera dúvidas no debate sobre reforma tributária

1 Comment

  1. Paulo freire
    5 de setembro de 2019
    Responder

    Esses vereadores deveriam chamar também as emissoras de rádio e televisão para depoimentos também

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *