Nextel redefine termos de empréstimos com Banco da China, BB e Caixa


Logo Nextel

A Nextel conseguiu redefinir os termos dos empréstimos tomados com o China Development Bank, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Essa reestruturação era uma das condições impostas pelo grupo escandinavo AINMT para concluir a compra do controle da operadora. Caso o novo acordo for adiante, de fato, a AINMT poderá adquirir mais 30% da Nextel, ficando com 60%. As empresas, porém, não se pronunciaram ainda a esse respeito.

Pelos novos contratos com os bancos, a Nextel terá 48 meses para começar a amortizar toda sua dívida com as instituições financeiras. Algumas condições (covenants), como o limite de endividamento máximo, foram suspensas até junho de 2020.

Ainda restarão algumas condições, no entanto. A Nextel passa a ter um limite de caixa e um limite de recebíveis para que os bancos não executem a dívida. A operadora também vai passar a pagar juros mais altos, como cláusula de segurança, e dará direitos de preferência aos bancos. Parte dos equipamentos e outras propriedades entram como garantias.

O novo contrato com o China Development Bank ainda precisa de aval da Sinosure, a agência seguradora de crédito para exportação da China. Essa aprovação deve sair até 31 de dezembro, de acordo com o comunicado da NII Holdings, a atual controladora da Nextel. A empresa ressalta, no entanto, que o acordo pode não ser aprovado pelos chineses.

“A assinatura dessas emendas são um marco importante para melhorar nossas perspectivas financeiras e liquidez, e nos permitirá investir e ampliar os negócios no Brasil”, afirma Dan Freiman, diretor financeiro da NII Holdings, em comunicado ao mercado emitido na manhã de hoje, 1.

Anterior Senado aprova PLC que regula apps de transporte individual de passageiros
Próximos Impostos elevados reduzem penetração da banda larga móvel na AL, diz GSMA