Netflix vai ter ponto de presença em Fortaleza


O Netflix vai inaugurar mais um ponto de presença (PoP) no Brasil em setembro. O novo tronco ficará em Fortaleza, capital do Ceará, local estratégico pela proximidade a estados de Norte e Nordeste. Atualmente, o serviço de streaming de vídeo tem três PoPs em funcionamento no país, nas capitais Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).

A abertura do PoP faz parte das iniciativas da empresa de se aproximar dos provedores de acesso. Flávio Marcelo, diretor de estratégia de redes da empresa, Netflix, explicou em apresentação durante o 8ISP, encontro de provedores da Abrint, que espera atrair para o PoP de Fortaleza o tráfego dos estados vizinhos, não apenas do Ceará e que trata-se de apenas uma das duas iniciativas feitas para diminuir a carga sobre a capacidade dos provedores. 

A primeira medida é permitir que os provedores acessem diretamente a rede da provedora de conteúdo, por meio de política aberta de peering. Daí a necessidade ter mais pontos de presença em PTTs regionais. Apenas no PTT do Rio de Janeiro, a Netflix observa atualmente tráfego de 150 Gbps.

A segunda iniciativa é a Open Connect Appliance (OCA), que prevê a entrega, por parte da Netlfix, de servidores para compor uma CDN junto a data center ou equipamentos do provedor de acesso. Qualquer provedor que gere tráfego com a Netflix de no mímino 2,5 GB pode requisitar o equipamento. “Até 100% do conteúdo é servido dentro das redes do provedor”, diz Marcelo.

O ganho é importante em economia para os provedores. Segundo ele, o Netflix transmite 1 bilhão de horas de vídeo por mês, no mundo, através de uma rede com e sem CDNs que alcança 450 milhões de residências. O número de assinantes, porém, é bem mais baixo: 81,5 milhões.

Além disso, a carga com vídeo só tende a aumentar. A Netflix já produz 100% de seu conteúdo próprio em 4K, resolução quatro vezes maior que o full-HD. Como demanda mais banda, a empresa aperfeiçoou seu algoritmo de compactação de vídeo. “Temos que modificar todo o nosso acervo. Até abril, tínhamos 80% do catálogo com essa modificação”, falou.

CDN nacional do NIC.br
Também presente ao painel, Antônio Moreiras, gerente da área de projetos do NIC.br, afirmou que a iniciativa OpenCDN, lançado no final de 2015, começa a sair do papel. Irá a funcionar, em projeto piloto, ainda neste mês, em Curtiba (PR). A iniciativa propõe criar uma CDN nacional, financiada por provedores que queiram acelerar sua internet e diminuir a carga sobre suas redes. Inicialmente, o piloto será gratuito, mas há perspectiva de evolução do sistema para um modelo de negócio pago, em que seria cobrado cerca de R$ 4 por MB na capital paranaense.

Moreiras deixou claro que o valor é provisório e que deverá variar conforme a região e adesão de provedores ao serviço. Informou ainda que o NIC.br vai ampliar o piloto, levando a OpenCDN para a Bahia, atendendo cidades como Salvador e Feira de Santana. As datas, porém, não foram definidas. A ideia do projeto é implantar servidores que formam esta CDN nacional ao menos nos 25 IXs, os pontos de troca de tráfego, ativos do NIC.br.

Anterior Projeto prevê indenização dos Correios por atraso
Próximos Zenvia leva Liliane Nogueira para dirigir o marketing