Netflix chega ao Brasil com assinatura mensal a R$ 14,99


O serviço de streaming de filmes e seriados Netflix foi lançado no Brasil nesta segunda-feira (5), em sua primeira investida fora da América do Norte, com uma assinatura mensal de R$ 14,99 e o primeiro mês gratuito. O catálogo no Brasil conta com programação da Disney e da TV Bandeirantes, entre outros. Ao longo do mês, o site deve ser aberto em outros 42 países da América Latina e Caribe. 

“Os brasileiros estão cada vez mais conectados, e amam filmes e séries. Estamos orgulhosos de trazer a experiência da Netflix a eles: assistir online a quantos filmes e séries desejarem, quando desejarem e por um preço acessível”, disse o presidente da companhia, Reed Hastings, em comunicado.

No Brasil, o serviço, que já conta com 25 milhões de clientes nos EUA e no Canadá, anunciou contratos de licença para transmitir conteúdo de estúdios e emissoras de TV como Disney, Paramount, Sony, NBC Universal, ABC, CBS, MGM, Miramax, BBC, além das latino-americanas Televisa, Telemundo, TV Azteca e TV Bandeirantes, entre outras. A companhia afirmou ainda que presente duplicar o volume de conteúdo disponível no país até o final do ano.

Atualmente, a programação do Netflix, que será disponibilizada no país apenas para streaming, e não locação, pode ser acessada ilimitadamente em qualquer computador com internet banda larga, e nos consoles de videogame Nintendo Wii e Sony PlayStation 2 e 3. A empresa afirma que em breve também disponibilizará seus serviços no país no Microsoft Xbox, além de TV conectadas da Samsung e LG, aparelhos Blu Ray conectados à internet e dispositivos móveis como iPhone e iPad.

A chegada do Netflix ao Brasil foi tema de diversas discussões no mês passado durante o Congresso da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA), principal setor afetado pela concorrência do serviço, com operadoras afirmando que não devem subestimar a nova entrante. O serviço também é alvo de críticas entre provedores de internet devido à questão de neutralidade da rede, uma vez que o streaming usa uma parte significativa de banda.

O modelo de negócios do Netflix ainda vem sendo ameaçado pela dificuldade do serviço em renovar seus contratos de licenciamento com estúdios, que estão cobrando valores bem acima dos acordos originais. Na semana passada, o site perdeu os direitos de transmissão nos EUA da Starz Entertainment, distribuidora de conteúdo da Disney e da Sony. No Brasil, concorrentes do Netflix incluem as locadoras virtuais NetMovies e Terra TV. (Da redação)

Anterior Santander paga € 38 mi por base de clientes da Telefónica na AL
Próximos Ipea vê gargalos para atendimento das metas do PNBL