NeoTV fecha acordo com fornecedor estrangeiro para conteúdo on demand


A NeoTV, que representa e negocia compra de conteúdo para provedores de TV por assinatura independetes, está atenta às mudanças no setor e avança para apoiar seus associados na oferta de vídeo sob demanda. Para isso, fechou um acordo com a Enterplay, para oferta de plataforma, anunciado ontem, e anunciará em breve o acordo com um broker internacional para o conteúdo.

De acordo com a diretora executiva da associação, Mariana Filizola, o preço do conteúdo distribuído de forma não linear subiu bastante no último período por conta da atuação de players como o Netflix. “Eles compram conteúdo a preço de ouro no mercado externo e isso tem impacto no preço aqui. Se fica difícil para as grandes operadoras negociarem, imagina para os pequenos e médios”, explica ela. 

A negociação de conteúdo não linear pela NeoTV com um broker estrangeiro, cujo nome Mariana prefere manter em sigilo no momento, foi classificada como excelente pela diretora da associação: “A negociaçao levou 12 meses, chegamos em um preço excelente e vamos anunciar em 15 dias”, declarou. 

Os anúncios na área de VOD da NeoTV têm um objetivo: permitir que os operadores independentes de TV por assinatura consigam entrar neste segmento rapidamente. “Não pode ser amanhã, este mercado está crescendo agora”, afirmou Mariana ao TeleSíntese. Neste sentido, a parceria com a Enterplay é vista como fundamental. 

A plataforma de VOD da Enterplay, empresa nacional criada por Gerson Rolim especializada em soluções de vídeo em IP, conta com um encoder desenvolvido internamente, que permite a entrega de conteúdo audiovisual com qualidade em uma banda de internet estreita. “A realidade fora dos grandes centros é de uma internet de 1 Mbps, às vezes menos. Precisavamos lidar com a realidade nacional, por isso investimos no encoder”, explica Jorge Salles, presidente do conselho da Enterplay. 

Ao permitir a entrega de vídeo com qualidade DVD (SD) em banda de 700 Kbps e com qualidade HD em 1,3 Mbps, a Enterplay cobriria 85% das conexões atualmente existentes no Brasil, contra 41% das conexões, no caso dos concorrentes. “Com isso, garantimos ao ISP a possibilidade de vender VOD para as conexões do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL)”, explica Salles. 

 

Anterior UIT vai premiar jovens inovadores
Próximos Telefônica e Oi pedem novo adiamento de regras de cálculo de multas