NEC consolida operações no Brasil


A NEC pretende sair de um faturamento estimado em US$ 280 milhões em 2008 para US$ 600 milhões em 2011 no Brasil e atingir, na América Latina, receita de US$ 1 bilhão em quatro anos. Para alcançar essa meta a empresa está consolidando as operações das duas unidades no país (a NEC do Brasil, que …

A NEC pretende sair de um faturamento estimado em US$ 280 milhões em 2008 para US$ 600 milhões em 2011 no Brasil e atingir, na América Latina, receita de US$ 1 bilhão em quatro anos. Para alcançar essa meta a empresa está consolidando as operações das duas unidades no país (a NEC do Brasil, que responde pelas negócios com operadoras de telecomunicações; e a NEC Solutions, cujo foco é o mercado corporativo e governo) em uma única empresa. As informações foram anunciadas hoje (28) por Yoichi Watanabe, vice-presidente da NEC Corporation, que veio ao Brasil oficializar a mudança e anunciar os planos da NEC para os próximos anos.

Com a reorganização, o executivo Herberto M. Yamamuro, que ocupa a diretoria de operações, assumirá, em abril, a presidência da NEC Brasil S.A. Yamamuro está há mais de 20 anos na companhia, parte desse período na matriz em Tóquio. Vai suceder o executivo Paulo Castelo Branco, que esteve no comando da NEC nos últimos seis anos e passa a ocupar a vice-presidência no Conselho de Administração da empresa, que será presidido por Watanabe.

Na nova estrutura, a diretoria executiva da NEC Brasil terá Tomoaki Fujiwara como vice-presidente executivo; Hiromi Furumoto, como vice-presidente econômico e financeiro, e Hidenori Konyuba, como diretor de tecnologia. No comando das divisões operacionais, assumem: Julian Nakasone, que responderá pelo segmento de operadoras; Luiz Villela, para o segmento corporativo, e Pedro Panos Mouradian, para o segmento de serviços profissionais. Com a junção das duas unidades, Yukio Hannya, que presidia a NEC Solutions Brasil, retorna ao Japão para assumir o cargo diretivo de uma empresa do grupo NEC.

De acordo com Watanabe, a NEC Brasil tem como foco a oferta de soluções integradas de TI e Network não apenas para o mercado brasileiro, mas para toda a América Latina. Isso não significa o fim das subsidiárias nos países vizinhos, destacou Watanabe. A NEC Corporation manterá as unidades na Argentina, Chile, México e Venezuela. E os centros de competência do Brasil, Argentina e México passam a trabalhar juntos, fazendo desenvolvimentos compartilhados.

Foco na sociedade digital

A mudança na estrutura organizacional da NEC Brasil traz junto uma mudança no perfil de atuação da companhia, cada vez mais voltada para ser uma empresa de tecnologia da informação e de comunicação, que está sendo chamada de projeto Phoenix 2.0. A filosofia, explicou Paulo Castelo Branco, é de uma nova empresa, que renasce de si própria, a exemplo da figura mitológica, em que a ave Phoenix renasce de suas cinzas. Para implementar o Phoenix, a NEC desenvolverá novas tecnologias de convergência, e aplicações específicas para segmentos verticais do mercado, reforçando sua atuação no fornecimento de serviços profissionais de alto valor agregado.

Watanabe enfatizou que a NEC pretende contribuir para a criação de uma sociedade digital na América Latina, fornecendo tecnologias e soluções de super banda larga para operadoras e para o mercado corporativo, apoiada na experiência da companhia, adquirida em seus 40 anos dedicados à região. “Com a experiência e sinergia entre as subsidiárias latino-americanas, a NEC contribuirá para a criação de um plano de sociedade digital mais adequado à América Latina”, destacou Watanabe.

“Para viabilizar a estratégia, a NEC Brasil desenvolverá novas soluções convergentes de redes e TIC, bem como consolidará sua oferta de serviços de alto valor agregado, e dará continuidade à sua política de alianças e colaboração com parceiros estratégicos”, destacou Herberto Yamamuro.

Anterior Nome do presidente da comissão de C & T sai até terça-feira
Próximos Conselho consultivo da Anatel: convocação cria constrangimento e reunião é adiada.