Na disputa por atenção, criadores de apps aumentam gasto com publicidade


O mercado de aplicativos móveis está mais competitivo e vem exigindo dos desenvolvedores estratégias de marketing digital para atrair consumidores. Levantamento realizado pela consultoria Apps Flyer indica que está mais difícil se destacar no meio de tanto app. A consequência é um aumento dos gastos com publicidade a fim de incentivar instalações “não-orgânicas”.

Levantamento da empresa divulgado na última semana indica que o número de instalações de aplicativos em países latino americanos cresceu 29,3% entre 2019 e 2020. A comparação é relativa a janeiro e fevereiro de cada ano.

PUBLICIDADE

Os desenvolvedores da região gastaram no ano passado US$ 3,1 bilhões em campanhas de marketing para instalação de apps, números que correspondem 6% de todos os gastos com campanhas de marketing para instalações de apps no mundo. Esse montante deve crescer 122% até 2022, alcançando U$6,9 bilhões.

O Brasil se destaca como o mercado com o maior crescimento na América Latina, tanto em instalações, como em aportes na atração de clientes. Apps brasileiros correspondem a metade dos gastos com campanhas de aquisição de usuários na região, somando em 2019 US$1,8 bilhão. As categorias de apps com aportes mais altos em publicidade, a fim de gerar instalações não-orgânicas, são games, educação, saúde e fitness. Os com menores gastos em aquisição não-orgânica são relativos a apps de viagem e de entrega de comida.

O país também é o campeão, dentre outros nove países da América Latina, em quantidade de instalações, total de eventos in-app e total de receita geral in-app. As categorias de aplicativos mais baixados por aqui são jogos eletrônicos, compras e finanças. Em nenhum outro país da região os apps de compras ficam entre os três mais baixados, como acontece no país.

Brasil contra a China

O mesmo relatório da Apps Flyer indica que os criadores brasileiro estão ganhando mercado na América Latina, em detrimento principalmente de produtos chineses. Em 2018, por exemplo, 48% dos 200 apps mais instalados em smartphones da América Latina eram desenvolvidos na China. Em 2019 o porcentual caiu para 37%, e neste ano, até o momento, são 21%.

Desenvolvedores locais de todos os países ganharam espaço, mas o brasileiro foi o que mais se expandiu além de suas fronteiras. Os apps feitos aqui passaram 8% dos 200 mais instalados pelos usuários da região em 2018, para 18% neste ano. As comparações neste caso são feitas tomando por base os meses de janeiro e fevereiro.

Outro país que apresentou evolução forte no mesmo período foi Israel. Passou de presença em 3% dos apps para 8%.

Efeito da Covid-19

A pandemia de covid-19 teve reflexo econômico positivo para as desenvolvedoras de apps. Em maio, a receita dessas empresas cresceu 15%. Acima do aumento de instalações orgânicas (5,76%) ou não-orgânicas (5,53%).

Para apresentar os dados desse relatório, a consultoria contou com uma base de dados que analisou o uso de apps de 27 milhões de usuários de smartphone. O material completo está aqui.

Anterior Vivo implanta rede 4G em usina de bioenergia da UISA
Próximos Campanha do jornalismo especializado vai até 10 de agosto