Na banda larga fixa, preço seis vezes menor que a média mundial


O país subiu duas posições no ranking global, para o 45 lugar, essa alteração deve-se à piora de outros países na comparação geral, uma vez que os preços médios praticados por aqui ficaram inalterados entre 2018 e 2019, conforme a UIT

A estagnação dos preços dos serviços de telecomunicações no Brasil se deu não apenas no móvel, como também na banda larga fixa. Conforme relatório da União Internacional de Telecomunicações (UIT) divulgado hoje, 19, os valores cobrados pelas operadoras de banda larga fixa em 2019 foram praticamente os mesmos de 2018.

Mudanças de preços em outros país fizeram, no entanto, com o que o país galgasse duas posições no ranking de 175 nações analisadas. Assim, o Brasil passou do 47º lugar para 45º lugar. Como se vê na tabela abaixo, em qualquer mudança significativa de preços, embora tenha havido ligeira redução de tributos sobre o serviço.

PUBLICIDADE
Ano Posição % do PIB p.c. Dólares PPC$ Impostos (%)
2019
45 1.43 10.92 17.74 40.00
2018
47 1.43 10.92 17.74 40.15

O que os dados mostram é que permaneceram idênticos o preço em relação ao PIB per capita, o preço médio convertido para o dólar, o preço relativo conforme o poder de paridade de compra (PPC).

Os países que estavam mais bem posicionados que o Brasil e que perderam posições foram Itália e Islândia. No país da bota, o preço em relação o PIB per capita saltou quase 30%. Já na Islândia, essa cifra dobrou.

Para fazer a comparação, a UIT leva em conta a média de valores dos planos de banda larga fixa com franquia de pelo menos 5GB. Quando os planos fixo não têm franquia, a UIT usa o preço de conexões de 256 Kbps, ou o mais barato com velocidade superior caso a oferta de 256 Kbps não exista no mercado local.

Média mundial

Os números locais, embora não tenham mudado, seguem bem abaixo da média mundial. O relatório da UIT indica que o preço em relação ao PIB per capita médio no planeta foi de 8,73%. Em dólares, de US$ 26,66, e em poder de paridade de compra, de PPC$ 42,44.

Ou seja, em relação à renda per capita, o preço praticado aqui é 6,10x inferior ao praticado no resto do mundo. Em dólares, o valor é 59% mais baixo. E quanto à paridade do poder de compra, é 58,2% inferior.

Nas Américas, o país aparece em quarto lugar quanto ao preço baixo relativo à renda. À frente estão apenas Estados Unidos, Canadá e Bahamas.

E diferente do móvel, que vem sofrendo para atrair clientes, a banda larga fixa continuou crescendo no ano.

O relatório completo da UIT pode ser baixado aqui.

Anterior Brasil estaciona em índice global de preços de serviços móveis
Próximos País tem maior carga tributária do mundo em banda larga fixa