MWC: serviço de pagamento móvel da Telcel supera 500 mil usuários


O serviço eletrônico para transações financeiras lançado pelo grupo América Movil, em abril do ano passado, já é usado por 500 mil usuários e será expandido para outros países em que o grupo atua devido ao sucesso da operação. Lançado inicialmente no México e, há três meses na Colômbia, o serviço chamado Transfer, chegará ao Brasil, em uma parceria com o Bradesco. A América Movil opera no país com as marcas Claro, Embratel e Net.

As informações foram dadas hoje pelo diretor da América Movil, Marco Quatorze, que participou de debate sobre mobile money no Mobile World Congress, em Barcelona. Quatorze escolheu o caso do México, onde 90 milhões de pessoas têm um telefone celular, mas 50 milhões não têm conta bancaria. “Os não bancarizados respondem por 80% dos usuários e os bancarizados pelos outros 20%. Estes usam mais por conveniência, como para passar dinheiro para o filho”, comentou Quatorze. “Quanto menos bancarizada a população mais chance de êxito existe”, acrescentou.

Interoperabilidade

PUBLICIDADE

Para a massificação dos serviços de pagamento eletrônico por meio do celular a interoperabilidade é fundamental, inclusive entre operadoras. “Sem ela (interoperabilidade) não vai rolar”, disse o diretor da América Movil, que diz estar conversando com todos – Telefonica, Visa, Mastercard – para ter interoperabilidade entre os sistemas. “Mas, primeiro cada um tem que lançar o seu (serviço)”, observou.

Parcerido da América Movil na experiência no México, o Citi defende, além da interoperabilidade, sistemas abertos. “O mobile payment é um componente de um ecossistema global e para ter sucesso tem que ter interoperabilidade e sistemas abertos”, disse Naveed Sultan, do Citi Transaction Services.

O debate contou ainda com a participação de representantes da MasterCard (que anunciou o serviço MasterPass durante o MWC), da Google Wallet e do PayPal, do eBay, todos interessados em disputar o mercado de pagamentos móveis. O serviço, que está sendo chamado de “carteira virtual”, permite que os usuários armazenem informações de pagamento em seus celulares, que são usados para fazer transações (não só pagamentos, mas transferências e outros).

Na experiência da América Movil, Quatorze apresentou um slide com as diferentes transações efetuadas por meio do Transfer e seus respectivos percentuais: 20% usam para consultar crédito, 21% para recarregar o telefone celular, 12% para fazer transferência pessoa a pessoa, 12% para saque, 10% para colocar dinheiro, 8% para fazer pagamento com cartão, e 13% outros. A transferência é feita tanto entre usuários do próprio sistema como para outros. “Para fazer a transação é preciso saber apenas o número do telefone celular. Se os dois usuários são clientes da mesma empresa, a transação se efetua usando apenas o número do celular, via SMS. Se um dos usuários é de outra operadora, é precisa ter o número da agência e conta de quem vai receber”, explicou Quatorze.

* A jornalista viajou a convite da Ericsson

Anterior Aberta a consulta pública sobre destinação da faixa de 700 MHz
Próximos TST aceita registros de ligações telefônicas como prova em sentença trabalhista