Música, canal educativo, desenhos. Diferentes alternativas para a TV digital


Paris – A BBC, emissora de TV inglesa, está se valendo da convergência digital para ampliar a oferta de serviços públicos à população. Depois de lançar o programa SOS Teacher, no qual, diariamente, professores presentes nos estúdios da emissora tiram dúvidas dos alunos, que enviam suas perguntas pelo próprio aparelho de TV digital, este ano …

Paris – A BBC, emissora de TV inglesa, está se valendo da convergência digital para ampliar a oferta de serviços públicos à população. Depois de lançar o programa SOS Teacher, no qual, diariamente, professores presentes nos estúdios da emissora tiram dúvidas dos alunos, que enviam suas perguntas pelo próprio aparelho de TV digital, este ano lançou outro pacote de programação, desta vez, se valendo dos computadores como a principal mídia.

Conforme o diretor da emissora,  James Richards, o novo programa, intitulado Citizen H, fornece gratuitamente à população mais de 60 horas de vídeo on line que podem ser baixados pelo PC. Segundo ele, esses novos conteúdos aumentaram bastante os índices de audiência da emissora.

Jay Durgan, vice-presidente de negócios e parcerias estratégicas da Warner Music International, por sua vez,  assinala que o maior faturamento de seu estúdio vem da venda de músicas on line. Em 2005, 27% da receita da Warner vieram da comercialização de músicas pelo meio digital, enquanto apenas 18% foram originários da venda de CDs.

Para ele, o mais importante para a indústria fonográfica é firmar acordos comerciais nos quais os riscos são divididos. Não é por menos que a empresa disponibiliza vários de seus clipes no YouTube, e lançou recentemente o Muuee: uma ferramenta que permite o usuário autorizado editar, criar e distribuir os vídeoclipes por ela produzidos.

*A jornalista viajou a convite da Alcatel

Anterior Microsoft reforça parcerias para se integrar ao estilo de vida digital
Próximos Autoridade da concorrência não deve aceitar mudança na oferta da Sonae pela PT