Aumentaram muito esta semana os boatos sobre uma possível saída de Caio Bonilha da presidência da Telebras. A empresa não confirma a informação. Mas, conforme diferentes interlocutores, haveria um descontentamento do governo quanto à condução da estatal, que não teria agilidade suficiente para atender a tantas demandas do segmento.

 

Uma das questões mais preocupantes é que a Telebras não estaria conseguindo utilizar os recursos orçamentários destinados a ela. Problema que não depende só de seus administradores, já que a empresa enfrenta muitas amarras regulamentares que atrasam os seus investimentos – exemplo disso é a construção do backbone na Amazônia – que está até hoje paralisada por conta de uma tabela do TCU que é inexequível na floresta.