Mudança ministerial não deve influir na revisão do modelo, diz Martinhão.


Ex-secretário de Telecomunicações do governo Dilma, e atual secretário de Inclusão Social de Internet no governo interino Temer, ele acredita que é inexorável colocar a banda larga no centro da política.

 

 

 

 

 

Para Maximiliano Martinhão, a mudança ministerial do governo interino do presidente em exercício Michel Temer, que incorporou o Ministério das Comunicações ao antigo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, criando o MCTIC, não deve interromper o processo de revisão do modelo do setor de telecomunicações. “Colocar a banda larga no centro da política pública é uma demanda da sociedade”, observou. Martinhão, que era Secretário de Telecomunicações do Minicom no governo Dilma, responde agora pela Secretaria de Inclusão Social e Internet do MCTIC.

 Ele lembrou, em debate sobre a revisão do modelo realizado no 8º ISPs, evento realizado pela Abrint que abriu hoje em São Paulo, que a equipe do antigo Minicom discutiu a necessidade de um novo marco regulatório, a partir das mudanças tecnológicas e das demandas dos usuários. O serviço de telefonia fixa, objeto da concessão, é um serviço em declínio. “Hoje, a demanda é por banda larga”, observou.

 Segundo Martinhão, a partir dos resultados de um grupo de trabalho, foi elaborada uma política para o setor, depois consagrada em decreto, enviado à Anatel. “Cabe a ela fazer a proposta de um modelo, e encaminhar ao executivo para ser transformada em decreto ou projeto de lei”, disse. De acordo com João Rezende, presidente da Anatel, o processo está sendo seguido e, antes do final do ano, a Anatel apresentará sua proposta. “Já temos dois votos. Faltam os dos outros três conselheiros”, comentou.

Anterior Fiscos estaduais estão estrangulando os provedores regionais
Próximos Conselho da EBC quer posição do STF sobre presidência