MPF fiscaliza situação das antenas de celulares em Brasília


A 1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente e Patrimônio Cultural (Prodema) instaurou, no início do mês, procedimento administrativo para apurar a situação das torres de telefonia móvel instaladas no Distrito Federal. As empresas de telefonia móvel do DF devem apresentar, em 30 dias, mapeamento de todas as torres existentes e planos de expansão. Já as Administrações Regionais devem encaminhar as permissões ou alvarás das torres instaladas nas cidades, assim como nome das empresas responsáveis e pedidos de novas instalações.

Segundo a Prodema, estudos científicos demonstram que a instalação e o funcionamento das torres de telefonia móvel trazem consequências negativas à saúde da população, ao meio ambiente e ao conjunto paisagístico do DF. Questionada pelo MPDFT sobre políticas públicas relativas à poluição eletromagnética decorrente dessas torres, a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do DF informou que não há, atualmente, nenhum documento que regulamenta o tema. No entanto, em novembro do ano passado, o governo do Distrito Federal publicou decreto regulamentando as instalações de antenas.

Há, também, discrepância na instalação das torres em relação às disposições constitucionais e infraconstitucionais que tutelam o meio ambiente ecologicamente equilibrado e essencial à sadia qualidade de vida da coletividade. No procedimento, o titular da 1ª Prodema, Roberto Carlos Batista, reforça o dever do Ministério Público em atuar, preferencialmente, de maneira preventiva para a melhor solução, sob todos os aspectos, à proteção dos bens jurídicos para as presentes e futuras gerações.(Da redação, com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Primeiro projeto aprovado do REPNBL-Redes é da Telebras
Próximos Cloud Computing fortalece aliança da PT com a Oi, que vai quadruplicar capacidade de data center brasileiro