MP-SP e Microsoft criam assistente virtual para mulheres em relacionamentos abusivos


Iniciativa desenvolvida pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP) com apoio da Microsoft pretende ajudar mulheres que sofrem abuso, em vista do aumento da violência doméstica durante a pandemia. A assistente virtual MAIA (Minha Amiga Inteligência Artificial), hospedada na plataforma de nuvem Microsoft Azure, é um chatbot que orienta garotas a entenderem se estão em um relacionamento abusivo.

A ferramenta traz informações e exemplos do que caracteriza uma relação de abuso, oferece dicas para que a mulher procure uma pessoa de confiança para se abrir e busque ajuda psicológica de um profissional. Além disso, direciona as usuárias para ouvidorias e Delegacias de Defesa da Mulher em casos de violência física.

PUBLICIDADE

Segundo levantamento do Ministério Público de São Paulo (MPSP) – que analisou dados da violência doméstica no Estado durante o isolamento – após o início da quarentena aumentou em 51,4% o número de casos registrados de violência doméstica – um total de 268 em março, contra 177 em fevereiro.

“Fatores como o consumo de álcool ou drogas ilícitas, desemprego e comportamento controlador dentro de casa são considerados aspectos de risco para as mulheres e que podem se agravar durante esse período de confinamento. Por esse motivo reforçamos o trabalho que criamos com a campanha Namoro Legal que conta com a MAIA como uma aliada para ajudar mulheres a saírem de relacionamentos abusivos”, explica Valéria Scarance, promotora de Justiça e coordenadora do Núcleo de Gênero do MPSP.

A ação recebe contribuição da Plan International, organização humanitária que promove os direitos das crianças e a igualdade para as meninas; pelo Girl Up, movimento Fundação ONU que treina meninas para que sejam líderes pela igualdade de gênero; e pelo Instituto AzMina, organização também sem fins lucrativos, focada em jornalismo, tecnologia e informação contra o machismo.

Tecnologia utilizada

O desenvolvimento da ferramenta obteve parceria com a Elo Group, consultoria especializada em tecnologia, e com a Ilhasoft, empresa focada no desenvolvimento de chatbots e soluções de comunicação.

O projeto usa Inteligência Artificial para ajudar a esclarecer dúvidas sobre relacionamentos abusivos, fazendo a interação das perguntas feitas pelas usuárias com o conteúdo da cartilha do MP-SP sobre relacionamentos abusivos, base essa que alimenta os diálogos da assistente virtual.

De acordo com a instituição, o processo de criação foi verificado pelo AETHER (Comitê de IA e Ética em Engenharia e Pesquisa da Microsoft), grupo responsável por avaliar iniciativas de chatbot no mundo e garantir que elas estejam alinhadas às normas de segurança e ética da empresa.

Durante as interações, não será solicitado nenhum tipo de identificação ou dados pessoais para quem interagir com ela e o conteúdo das conversas não será armazenado.

O recurso está disponível na página dedicada ao projeto e pode ser acessada pelo público em geral. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Supercomputador Santos Dumont será usado no combate à Covid-19
Próximos STF referenda suspensão da MP que compartilha dados de usuários das teles com o IBGE