MP dos Dados Pessoais é um retrocesso na legislação, afirmam especialistas


Bruno Bioni, fundador do instituto Data Privacy Brasil, alerta que a falta de confiança do cidadão no Estado pode gerar uma paralisia. Em contrapartida, consultoria do Senado apontou que artigo da LGPD, ao exigir lei para a troca de informações com empresas, tornariam a administração pública inviável.

Infographic vector created by Macrovector – Freepik.com

A Medida Provisória (MP) 869/2018, que altera a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) e cria a ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados), foi considerada um retrocesso por especialistas que participaram de audiência pública na comissão mista do Congresso Nacional que analisa a matéria. Para eles, a MP compromete os princípios da legislação sancionada no ano passado, a exemplo da obrigatoriedade de o Estado prestar contas sobre o uso de dados de cidadãos em algumas situações e a vedação ao compartilhamento de determinados bancos de dados com o setor privado.

“O cidadão não vai ter mais confiança para trocar dados com o gestor público”, disparou Bruno Bioni, fundador do instituto Data Privacy Brasil. “Precisamos estabelecer regras e práticas informacionais justas porque, caso contrário geramos uma paralisia”. Na visão dele, algumas iniciativas da MP fazem retroceder o debate em relação à proteção de dados pessoais. Ele explicou que, sem um marco legal sólido, princípios fundamentais da relação do cidadão com o Estado ficam comprometidos. 

Na visão dele, a LGPD  “tende a patinar” se a MP  for aprovada com a manutenção do texto original editado pelo Executivo. Como exemplo, citou  a digitalização da administração pública, uma meta do atual governo. Esse salto depende de parcerias com o setor privado, que podem não avançar, caso haja insegurança jurídica na formação de bases de dados governamentais.

Outro risco, de acordo Bioni, é um eventual obstáculo ao ingresso do Brasil na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). “Será que, ratificando as alterações propostas pela medida provisória, não estaremos em rota de colisão com a OCDE?”, questionou, defendendo regulação simétrica entre os setores privado e público.

Administração inviável

Mas, segundo a consultoria do Senado, a MP veta o inciso II do parágrafo 1º do artigo 26 da lei em razão do emprego equivocado da conjunção “e”. A redação do dispositivo exigiria que houvesse, cumulativamente, previsão legal e respaldo em contratos, convênios ou instrumentos congêneres para o compartilhamento de dados pessoais entre o poder público e entidades privadas.

Segundo as razões de veto da MP a esse trecho, tal cumulatividade inviabilizaria o funcionamento da Administração. Isso porque diversos procedimentos relativos à transferência de dados pessoais são detalhados em atos normativos infralegais, a exemplo do processamento da folha de pagamento dos servidores públicos em instituições financeiras privadas, da arrecadação de taxas e tributos e do pagamento de benefícios previdenciários e sociais.

Retaliação e informações sensíveis

Para Renata Mielli, coordenadora-geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação, a MP abre espaço para que órgãos de governo tornem públicos os dados de pessoas que façam pedidos via Lei de Acesso à Informação, o que poderia gerar apreensão aos autores das solicitações. “Essa privacidade é fundamental para garantir que a pessoa que procura informações sobre o Estado brasileiro não seja alvo de qualquer tipo de perseguição ou retaliação”, alertou.

Destacou que o controle do Estado sobre dados pessoais dos cidadãos tem apresentado falhas. Disse que já há registros de vazamentos e comercialização de informações sensíveis de cidadãos, a partir de bases de dados do SUS (Sistema Único de Saúde) e das várias modalidades de bilhete único para transporte público.

Comissão

A comissão que analisa a MP 869/2018 é presidida pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO). A medida provisória já recebeu 176 emendas. A audiência pública faz parte de uma série de quatro programadas pelo relator, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP). O relatório deve ser apresentado no próximo dia 23. (Com informações da Agência Senado)

Anterior TCU aprova novo modelo de outorga de serviços postais dos Correios
Próximos Huawei reciclou 850 toneladas de equipamentos em dois anos, no Brasil