Movile vai aumentar investimentos em startups


Painel com Anderson Thees, diretor da RedPoint Ventures, Stelleo Tolda Vice-presidente Executivo - COO do Mercado Livre, Fabricio Bloisi, CEO da MOVILE, Marco De Mello, CEO da P-SAFE
(Da esq. para da dir) Painel com Anderson Thees, diretor da RedPoint Ventures, Stelleo Tolda, Vice-presidente Executivo – COO do Mercado Livre, Fabricio Bloisi, CEO da MOVILE, e Marco De Mello, CEO da P-SAFE

A Movile, desenvolvedora brasileira de aplicativos, pretende aumentar os investimentos na descoberta de novos produtos. Segundo seu CEO, Fabricio Bloisi, vai destinar cerca de R$ 300 milhões a aquisições, fusões ou aportes nos próximos dois anos. A intenção é manter o ritmo de crescimento da empresa, que hoje tem 1,5 mil funcionários em todo o mundo E 70 milhões de usuários em seus serviços. A Movile é dona dos apps Playkids e iFood.

Bloisi participou, nesta quarta-feira, 24, do evento GMIC, que reúne representantes do mercado mobile em São Paulo. Segundo ele, nos últimos dois anos e meio, a Movile realizou 25 operações transações de investimento, aquisições ou fusões. “Isso ajudou a gente a crescer rápido e a ser mais agressivos”, falou. Sem dar números exatos, ele disse que hoje a empresa já tem receita maior que US$ 1 bilhão por ano.

O executivo cobrou, como já fez outras vezes, uma postura mais agressiva dos empreendedores brasileiros. “O Brasil deveria ter quatro, cinco empresas avaliadas em mais de US$ 10 bilhões. A culpa é do mercado, ou do governo? Sim, sempre é. Mas também depende muito da gente. Os empreendedores brasileiros têm, quase sempre, ideias pouco ambiciosas”, criticou, durante painel que debateu o potencial do país em gerar grandes empresas digitais.

Outro executivo a participar da conversa foi Marco DeMello, fundado da PSafe. A empresa recentemente se tornou a primeira startup brasileira a ter valor de mercado maior que R$ 1 bilhão, após aporte de US$ 30 milhões de um investidor. A empresa desenvolve serviços de segurança para celulares. Os apps são todos gratuitos, e somam 80 milhões de instalações. “Somos hoje o terceiro maior canal de mídia mobile, atrás apenas de Google e Facebook”, contou. A intenção é manter a expansão global, fechando no break even em 2017, com 100 milhões de usuários.

Anterior "O boom dos apps acabou", diz country manager da Baidu Brasil
Próximos Brasil se mantém como principal mercado do Facebook na América Latina