Motorola lança Razr2 para tentar reverter perdas


Para tentar reverter os números negativos dos dois últimos trimestres a Motorola lançou hoje, 15 de maio, o Razr2, nova versão de seu aparelho mais popular e um dos mais vendidos no mundo. A corporação registrou, no primeiro trimestre deste ano, prejuízo de US$ 181 milhões, e vendeu 31% menos aparelhos em comparação com o …

Para tentar reverter os números negativos dos dois últimos trimestres a Motorola lançou hoje, 15 de maio, o Razr2, nova versão de seu aparelho mais popular e um dos mais vendidos no mundo. A corporação registrou, no primeiro trimestre deste ano, prejuízo de US$ 181 milhões, e vendeu 31% menos aparelhos em comparação com o trimestre anterior. A subsidiária brasileira da empresa, no entanto, “vai muito bem, obrigado”, segundo Henrique Ussher, presidente da filial nacional. Ele destacou que no país a Motorola está praticamente empatada com a Nokia, sua principal concorrente, mas que não irá praticar guerra de preços para tentar assumir a liderança isolada do mercado. “Nosso foco agora não é market share, estamos olhando a rentabilidade”, destacou. A empresa pretende concentrar esforços em celulares mais caros, voltados aos planos pós-pagos, pois, segundo Ussher, “não acredito que nos terminais de baixo preço seja possível obter rentabilidade.”

O Razr2 será lançado comercialmente no Brasil em agosto, exclusivamente na versão GSM, e custará, “acima de mil reais nos pontos de venda”, afirmou Ussher. Ele ressalta que o modelo antigo, no entanto, não deverá ser substituido tão cedo, devido a grande demanda pelo aparelho, que já vendeu 98 milhões de unidades desde o seu lançamento, em 2005, e tem uma média de 100 mil unidades comercializadas diariamente. O executivo também afirmou não estar preocupado com a suposta saturação da base nacional, com o Brasil superando a marca dos 100 milhões de assinantes, pois “80% das vendas de pós-pago são trocas”, e a empresa estima que este ano sejam vendidos aproximadamente 35 milhões de aparelhos novos. O novo modelo será produzido na fábrica da Motorola em Jaguariúna, que está preparada para fornecer “para toda a América Latina”, destacou Ussher.

Anterior Computador barato derruba ainda mais o mercado cinza
Próximos Bedran sai em defesa da reorganização da Anatel