Missão para expansão de vida de satélite da Intelsat é bem-sucedida


Vista do satélite Intelsat-901 a partir do MEV-1 durante o acoplamento – Foto: Northrop Grumman

A Intelsat anunciou nesta semana que a missão para expandir a vida de um satélite já em declínio foi bem sucedida. O que chama atenção é o modelo da missão. A operadora contratou a empresa Northrop Grumman para desenvolver uma nave espacial, batizada de Mission Extension Vehicle-1 (MEV-1). Tal nave foi colocada no espaço em outubro de 2019, e nesta semana, em 25 de fevereiro, chegou a ponto da órbita terrestre em que faria a “manutenção” do satélite Intelsat 901, que fornece banda Ku e banda C a Europa e Oceano Atlântico.

Os dois artefatos então acoplaram-se. Com isso, o MEV-1 passou a fornecer combustível e outros serviços que garantem a extensão da vida útil do IS-901 por mais 5 anos (lançado em 2001, o satélite tinha vida útil estimada de 13 anos). As naves espaciais, agora unidas como um só equipamento, realizam avaliações em órbita antes que o MEV-1 comece a utilizar sua energia para a reposicionar o conjunto acoplado e reiniciar os serviços do IS-901 no início de abril.

É a primeira vez que dois satélites comerciais se unem operacionalmente em órbita. A iniciativa também tem potencial para inaugurar um novo modelo de negócios, em que empresas como a Northrop realizam reparos espaciais em satélites de terceiros localizados em órbitas geosíncronas. O reparo tem custo inferior à construção e lançamento de um novo satélite.

PUBLICIDADE

Nos termos do contrato com a Intelsat, o MEV-1 fornecerá cinco anos de serviços de extensão de vida ao satélite IS-901 antes de devolver a espaçonave a uma órbita final de descomissionamento. O MEV-1 seguirá em frente para fornecer serviços de extensão de missão para nova nave espacial cliente.

Uma vez ancorado, o MEV assume a manutenção da órbita do conjunto de acordo com os requisitos do cliente. O MEV foi projetado para vários acoplamentos e desacoplamentos e pode fornecer mais de 15 anos de serviços de extensão de vida. A empresa está programada para lançar seu segundo Veículo de Extensão missão, MEV-2, ainda este ano, contratado para prestar serviço a um outro satélite da Intelsat.

Este serviço de extensão de vida é apenas o primeiro passo em um plano de expansão e desenvolvimento tecnológico. A visão da empresa é estabelecer uma frota de veículos de manutenção de satélites que não só prolongam a vida útil dos satélites, mas fornecem outros serviços, como mudanças de inclinação e inspeções de naves espaciais, bem como usar tecnologia avançada de robótica para realizar funções adicionais, como reparo e montagem em órbita.

Anterior Teles vão ao STF contra lei do Rio de Janeiro
Próximos Simões: "Estamos propondo uma rede neutra para a Amazônia"