Ministro vai à Casa Civil formalizar indicação de Jobim para Anatel


O ministro das Comunicações, Hélio Costa, indicará formalmente hoje, 21, o nome do advogado Alexandre Jobim para ocupar uma vaga no Conselho Diretor da Anatel. Segundo o ministro, a indicação de Jobim já conseguiu o consenso dentro do PMDB e também não sofre resistências dos sindicalistas ligados à Fittel (Federação Interestadual dos Trabalhadores em Telecomunicações). …

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, indicará formalmente hoje, 21, o nome do advogado Alexandre Jobim para ocupar uma vaga no Conselho Diretor da Anatel. Segundo o ministro, a indicação de Jobim já conseguiu o consenso dentro do PMDB e também não sofre resistências dos sindicalistas ligados à Fittel (Federação Interestadual dos Trabalhadores em Telecomunicações).

“Do ponto de vista político, dentro do PMDB, está resolvido. O partido já aceitou e que eu saiba não há resistência dos sindicalistas”, disse o ministro antes de se reunir com ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, quando faria a indicação de Jobim. Alexandre Jobim é filho do ex-presidente do STF (Superior Tribunal Federal), Nelson Jobim, e trabalha para a Abert (Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e TV).

De acordo com Costa, para a segunda vaga no conselho da agência, aberta recentemente com a saída do ex-conselheiro Luiz Alberto Silva, o nome mais cotado, que teria o apoio dos sindicalistas, é o de Nilberto Miranda, irmão do ex-secretário de Direitos Humanos Nilmário Miranda, e atual superintendente-executivo da Anatel. “Existe essa sugestão e me parece um bom nome. Mas vamos ver se ela se confirma”, disse Costa.

O ministro informou que, se Dilma Rousseff der o aval para os dois nomes, o Ministério das Comunicações poderá fazer as indicações formalmente ainda esta semana para que a Presidência da República as encaminhe ao Senado.“Acho que a questão da Anatel não pode ficar na dependência de acordos políticos porque já passou do limite, já chegou no máximo que podia agüentar sem a indicação dos conselheiros, já chega a prejudicar os procedimentos da agência”, disse Costa.

Minicom

Sobre a sua permanência no Minicom, Costa deu claro sinais de que quer ficar. “O presidente já deixou o recado bem claro que este não é o momento de se falar mais na questão ministerial. Mas, antes do meu partido, tem a decisão do presidente da República. Cabe a ele. Se ele me pedir para continuar, eu acho que eu posso considerar sim, pelo menos por mais um ano, porque eu acho que a implementação desse sistema de internet banda larga é muito importante. Mas estou aqui apenas cumprindo uma missão”.

 

Anterior A receita da TelComp para superar “falhas” da privatização
Próximos Ziller à Telefônica : qualquer acordo comercial deve se submeter à anuência prévia da Anatel