MiniCom vai analisar imagens do suposto estupro no BBB12


O Ministério das Comunicações vai requisitar as imagens passadas em TV aberta no “Big Brother Brasil 12” para analisar se, ao tratar do suposto estupro cometido por Daniel Echaniz, foram transmitidas imagens “contrárias à moral familiar e aos bons costumes”. Segundo a assessoria do MiniCom, caso comprovado o abuso, pode gerar a abertura de um processo de apuração, lembrando que o Ministério tem competência para interferir em conteúdo nesses casos.

De acordo com o Código Brasileiro de Telecomunicações, a punição para esse tipo de irregularidade pode ir desde multa de até R$ 76 mil e até mesmo a cassação do sinal da emissora. As imagens requisitadas são dos dias 14 e 15, e serão degravadas pela pasta.

 

O ministério também solicitou que a verificação seja feita pela Anatel, que regula a TV por assinatura, para análise do possível abuso sexual foram transmitidas no “pay-per-view” do BBB12. A assessoria da agência não quis se comentar o assunto. Mesma posição da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). A entidade alega que não se manifesta sobre conteúdo.

O caso, que já está sendo apurado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, ganhou força após divulgação de imagens em que a participante Monique Amim aparece “desacordada” em cenas de intimidade com o modelo Daniel Echaniz. No vídeo, o rapaz é flagrado fazendo movimentos suspeitos debaixo do edredom com a estudante de administração, que aparentava estar inconsciente.(Da redação)
.

Anterior Abert apoia decreto com novas regras para a radiodifusão comercial
Próximos SeAC: Ancine aprova regulamento geral e mantém conceito original de produtor independente