Minicom trabalha para reduzir número de cidades com apagão analógico de TV em 2015


 

O Ministério das Comunicações está trabalhando em um estudo de remanejamento de canais com o objetivo de reduzir a quantidade de cidades em que será necessário desligar a TV analógica para que possa ser implantada a banda larga móvel na frequência de 700 Mhz em 2015. Atualmente este número de cidades está em 724, que impactam cerca muitas outras, totalizando 1800, um número que o governo pretende baixar para 1000. O ministério pretende encerrar o estudo para reorganização do espectro nas cidades até setembro, colocá-lo em consulta pública e concluir o processo em outubro. O estudo é fundamental para fechar todos os detalhes, inclusive os preços do leilão da faixa de 700 Mhz.

 

“Há condições de diminuir o número de cidades. Se um radiodifusor trocar de lugar (no espectro), será muito melhor porque não precisa desligar agora, podemos esperar aumentar o número de receptores, por exemplo”, afirmou Patrícia Ávila, diretora do departamento de outorga do Minicom, que participou nesta terça-feira (20) do Congresso da SET, em São Paulo.

 

Nas cidades onde for possível postergar o prazo de desligamento do sistema analógico, o Minicom poderá inclusive conceder novas outorgas de radiodifusão, explica Ávila. Por falta de informação técnica do processo de migração da TV analógica para a digital de todo o país, este ano o ministério não divulgou um plano anual de outorgas, como gostaria e se comprometeu a fazer anteriormente.  

Atualmente, o levantamento da Anatel apontou para 724 cidades, um número um pouco maior do que o desejado inicialmente, porque, explicou Patrícia, é usual uma cidade muito pequena não ter um transmissor e ter o serviço de TV aberta disponível utilizando o sinal de uma cidade vizinha. Ou seja, mesmo sem precisar reorganizar o espectro nessas pequenas cidades, é preciso contabilizá-las no esforço de universalização da recepção pelo consumidor. 

 

Anterior Marco Civil da Internet será debatido no Senado antes da aprovação pela Câmara
Próximos Brasil ainda tem três milhões de acessos à internet por linha discada, afirma Anatel.