MiniCom estuda licitar as bandas de 2,5 GHz e de 450 MHz em conjunto


O ministro Paulo Bernardo aifrmou hoje, durante o 55 Congresso Telebrasil, que ainda estuda a melhor opção para a frequência de 450 MHz. A Anatel está dividida quanto a esta questão, com um grupo de técnicos entendendo que esta frequência deveria ser imputada às concessionárias, para  cumprirem as metas de universalização rural, que serão estabelecidas no novo Plano Geral de Metas de Universalização (PGMU), e outro grupo que defende a abertura de licitação para esta frequência. O Ministério das Comunicações  vai tomar a decisão e, segundo Bernardo, estuda também a hipótese de venda da banda de 2,5 GH acoplada à de 450 MHz. “A faixa de 2,5 tem um grande valor econômico e apelo de mercado e por isto estamos considerando incluir também a faixa de 450, pois precisamos olhar o Brasil inteiro”, completou o ministro.

Ele afirmou que no decreto final que irá trazer as novas metas de universalização, a tendência é que a presidente Dilma Rousseff deixe em aberto esta questão (se a faixa será ou não imputada) ou se será licitada e de que forma. “Precisamos pensar de que forma podemos etimular o ingresso de novos players e de novas tecnologias, tendo em vista que as concessionária não tem demonstrado muito interesse por esta frequência”, assinalou. A corrente da Anatel que defende a imputaçao da faixa de 450 MHz está convencida que a telefonia rural gera resultados negativos para a operação e as concessionárias diminuiriam estes prejuízos usando esta faixa que reduz os custos de implantação.

Anterior UE vai gastar R$ 600 bi para levar banda larga a 50% dos lares
Próximos Bernardo quer banda larga para 75% da população antes de 2020