Migração para o pré-pago pode canibalizar planos controle, avalia KPMG


Em evento online realizado hoje, 5, analistas da consultoria KPMG fizeram uma avaliação dos riscos que a pandemia trouxe para o setor de telecomunicações. Para eles, as teles terão de acelerar a transformação digital, focar em um atendimento mais automatizado, e estabelecer estratégias para lidar com o potencial aumento da inadimplência.

Marcelo Ribeiro, sócio líder da consultoria, explicou que a migração de clientes dos planos pós-pagos para pré-pagos é uma reversão da tendência. Nos últimos anos, as operadoras se esforçaram para levar os clientes pré para planos controle, e clientes controle, para planos pós-pagos.

PUBLICIDADE

“Se a migração do pós para o pré se confirmar de fato, então o aumento em PDD [provisão de devedores duvidosos, métrica das empresas que ajuda a demonstrar o tamanho da inadimplência] deixa de ser um problema”, ressaltou, lembrando que no pós há faturamento, enquanto no pré o consumidor faz recargas quando for conveniente.

A migração de clientes para o pré deve, no entanto, afetar mais intensamente a base de usuários controle. “Pode ser que estejam [as operadoras] canibalizando os planos controle, que é um híbrido. São considerados pós pela Anatel, mas o funcionamento é muito mais parecido com um pré”, disse.

Dustin Pozzetti, sócio líder da área TMT da KPMG, afirmou que ainda não está clara a abordagem das operadoras para conter a inadimplência. “PDD é uma questão que cabe a cada empresa decidir como abordar dentro de sua estratégia”, lembrou, após dizer que ainda não tem como dizer se o downgrade de planos será uma prática generalizada.

Ele falou, no entanto, que no momento atual de isolamento faz sentido o consumidor ver menos utilidade no celular, seja pré ou pós-pago, uma vez que é possível recorrer aos dados para fazer ligações ou conferências, através da banda larga fixa.

Oportunidades

Para o pós-pandemia, Pozzetti traçou uma previsão: “Pelos próximos 10 anos, as famílias vão se preocupar mais com saúde. E isso abre oportunidade para o investimento em SVAs de saúde. As empresas têm de estar atentas a este tipo de janela que se abre”, ressaltou.

Para Oliver Cunningham, o pós-covid será um mundo mais digital do que nunca. “Organizações que não conseguirem se desvincular de certas práticas não vão sobreviver. O mundo que surge agora foi catalizado pela covid-19. É um mundo mais conectado. Já estávamos colocando sensores em tudo, e agora o mundo estará ainda mais interconectado. Telco terá papel fundamental nisso. Portanto, é momento de se reposicionar”, avaliou.

Marcelo Ribeiro destacou que isso vale também para os reguladores, e disse que o movimento de digitalização na Anatel terá de se acelerar com a chegada da 5G, em que debates sobre novos serviços terão de ser mais ágeis. “A Anatel precisa se transformar porque no modelo atual os regulamentos ficam muito desatualizados”, falou.

Anterior Como a Covid-19 é encarada pelos gestores na Claro
Próximos Oi Futuro abre inscrições para curso online gratuito de acessibilidade cultural