Migração da banda C para Ku custaria R$ 2,9 bi, segundo Abratel


Na terça-feira,17, a Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel) apresentou à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a proposta do setor de radiodifusão para resolver de vez, em sua visão, o problema de interferência do uso da frequências 3,5 GHz sobre a TVRO, transmitida em banda C.

A proposta do setor de radiodifusão considera que, em decorrência da migração dos canais distribuídos por satélite da banda C para a banda Ku, haverá a necessidade de distribuir kits de recepção de satélite na banda Ku para a população que possua equipamentos de recepção por parabólica da banda C e que esteja inscrita no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, que corresponde a 11 milhões de domicílios.

Segundo projeção feita pelo engenheiro da Abratel, Wender Souza, o custo da implementação da proposta seria de R$ 2,9 bilhões, a serem pagos com recursos do leilão. A associação não divulgou o detalhamento dos cálculos.

Estavam presentes na reunião o presidente da Abratel, Márcio Novaes; o diretor-geral, Álvaro Vasconcelos; o engenheiro da associação, Wender Souza; o presidente da Anatel, Leonardo Euler; o superintendente de outorgas e recursos à prestação da agência, Vinícius Caram; e o especialista em regulação, Egon Guterres. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Claro traz aceleradora Plug and Play para o Brasil
Próximos PGR quer elucidação do STF sobre terceirização de atividades-fim

1 Comment

  1. 20 de setembro de 2019

    Muita especulação, muito “achismo”, muita irresponsabilidade e muitas falas que estou ouvindo sobre as interferências na Banda C sobre o 5G sem uma base científica. Efetivamente a solução derradeira nós teremos quando os serviços 5G estiverem em sua plenitude de funcionamento em nosso território. Até lá, quem se enveredou pelo lado científico da coisa, ok, buscam soluções exequíveis e fundamentadas para a solução. Por exemplo, busco “ouvir” com os meus parceiros nos EUA e na Europa (de fontes fidedignas) o que está se sucedendo naqueles mercados, mas mesmo assim as informações são pingadas. O que acho irresponsável de forma total é ouvir os discursos de algumas pessoas dizendo um monte de sandices, tocando as “Trombetas do Inferno para a banda C”, condenando irresponsavelmente o futuro da existência da Banda C em nosso país. Alto lá! Esses caras não são cientistas e estão mais para cartomantes que preveem um futuro catastrófico! Boa parte desses caras que falam sandices, nunca subiram numa antena e sequer têm bagagem prática e acadêmica para isso. Penso eu que nem sabem ligar um analisador de espectro, pois se soubessem, filtrariam um pouco as suas falas. São papagaios de pirata, lamentavelmente… O que peço, aos profissionais responsáveis, gabaritados e que tenham realmente uma bagagem técnica e responsabilidade em suas falas, é que se debrucem no tema de forma responsável e tragam soluções fidedignas para as possíveis interferências do 5G na Banda C. O resto é falácia. Eu mesmo mantive-me quieto mas trabalhando. Desenvolvi duas soluções para precaver os efeitos colaterais do 5G, uma para satélite linear e outra para satélite circular, visando então o uso de filtro e de um alimentador específico para operar no Apêndice 30B e “míope” para a Banda C convencional. https://images.com.br/wp-content/uploads/2019/08/Alimentador-Ap%C3%AAndice-B.pdf. É algo que foi calculado considerando as possíveis fontes de interferências, cavidades, TE11, TM01, centro de fase, etc… Pergunte para um desses “gênios das trombetas do inferno” se eles sabem o que é TE e TM? Não sabem! Falam sandices e muitas das vezes, supostamente, subsidiados por metas de estratégias comerciais, que nada têm haver com questões técnicas.
    Obrigado!