Microsoft cria fundo de US$ 1 bilhão voltado à reversão das mudanças climáticas


Dinheiro vai financiar iniciativas de descarbonização já em curso ou a compra de participação acionária em startups que desenvolvam tecnologias capazes de reduzir a pegada ambiental das empresas

Foto: Projetado pelo Freepik
Foto: Projetado pelo Freepik

A Microsoft anunciou hoje, 16, um projeto para neutralizar suas emissões de carbono até 2030, e até 2050, compensar todo o carbono que calcula ter produzido desde sua fundação, em 1975. A companhia também anunciou a criação de um fundo com US$ 1 bilhão que será aplicado em quatro anos. O dinheiro vai financiar o desenvolvimento novas tecnologias para a remoção de carbono do meio ambiente, a fim de contribuir para retardar as mudanças climáticas.

O capital será usado de duas formas: na aceleração de tecnologias já existentes, a partir do investimento no projeto ou do financiamento da dívida da iniciativa; e em inovações ainda desconhecidas, sob a forma de participação acionária.

Os critérios para aportes levarão em conta as estratégias das candidatas para promover a descarbonização, a resiliência climática ou a sustentabilidade. Também é importante que o impacto seja capaz de fazer o mercado acelerar a adoção do conceito de descarbonização. Além disso, a empresa quer que as tecnologias possam ser utilizadas em suas próprias necessidades e metas de alcançar a marca de produtora negativa de carbono até 2050. E, em países em desenvolvimento, o investimento levará em conta o equilíbrio climático em relação aos países desenvolvidos.

A companhia também avisou que a partir de agora passará a advogar por políticas públicas relacionadas à produção de carbono e à busca de soluções de emissão zero. Vai defender, por exemplo, o fim de barreiras regulatórias que hoje impedem a adoção mais rápida de tecnologias limpas. Vai pleitear formas de negociação de créditos de carbono que levem em conta preço e mercado. E defender regras de transparência para que o consumidor conheça quanto de carbono foi emitido para que produtos chegassem às mãos do consumidor.

Anterior Dataprev entra no programa de desestatização
Próximos Seaborn anuncia novas conexões com PTTs dos EUA e Europa

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *