Micro e pequenas empresas: parcerias para viabilizar rede de telecentros.


Criada em março como uma OSCIP (organização da sociedade civil de interesse público), a ATN- Associação de Telecentros de Informações e Negócios vai ser lançada oficialmente na próxima segunda-feira, dia 13, em São Paulo, no Cenesp – Centro de Eventos e Negócios de São Paulo (http://www.cenesp.com.br). Seu objetivo é articular parcerias de negócios para dar …

Criada em março como uma OSCIP (organização da sociedade civil de interesse público), a ATN- Associação de Telecentros de Informações e Negócios vai ser lançada oficialmente na próxima segunda-feira, dia 13, em São Paulo, no Cenesp – Centro de Eventos e Negócios de São Paulo (http://www.cenesp.com.br). Seu objetivo é articular parcerias de negócios para dar sustentabilidade à rede de Telecentros de Informações e Negócios TINs) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Segundo José Avando de Souza Sales, diretor executivo da ATN, já foram realizadas várias parcerias com fornecedores de hardware, software, provedores de serviços e conteúdo na internet, bancos, entre outras empresas. Com essas parcerias, a ATN busca atender a dois objetivos: criar condições mais favoráveis para que as pequenas e micro empresas possam se informatizar, e gerar negócios que permitam aos telecentros sustentar suas atividades. Avando lembra que o MDIC apenas articula a implantação dos TINs, que são mantidos pela entidade parceira. “Então, a sustentabilidade é vital para a manutenção do projeto”, diz ele, lembrando que a rede de Telecentros de Informações e Negócios já conta com mais de 2 mil unidades espalhadas pelo país.

Com o seu lançamento oficial, a ATN espera ganhar visibilidade e atrair novos parceiros. “Há espaço para as mais diferentes parcerias. Com os bancos, por exemplo, queremos estimular a abertura de postos de bancarização em telecentros instalados em áreas onde não existem agências bancárias. Com cursos de ensino a distância, criar oportunidades para que mais pessoas tenham acesso ao ensino superior, por exemplo, em cidades que não contam com faculdade. Com fornecedores de computador e software, conseguir melhores preços e crédito subsidiado para que o pequeno e micro empresário possa informatizar seu negócio”, relata ele.

Anterior Vex monta rede WMesh outdoor em Campos de Jordão
Próximos Mais de 500 mil acessos Speedy em PMEs da América Latina