MFS levará pagamento móvel para 110 cidades brasileiras até dezembro


 

A joint-venture entre Telefônica Internacional e a MasterCard Worldwide, MFS, para pagamentos móveis via celular está com operações em Osasco, Sorocaba e Mogi das Cruzes, incluindo os municípios do entorno. Em breve, começará a oferta do aplicativo que simula um cartão pré-pago em Jundiaí, Guarulhos e Belo Horizonte. Ainda este ano, as operações começarão na grande Salvador e grande Porto Alegre, sendo que o objetivo é chegar ao final deste ano com 110 cidades e 160 mil transações/mês.

 

 

A operação ganhará força a partir de agosto, quando os usuários contarão com a consulta da conta na internet, explica o presidente da MFS, Marcos Etchegoyen. Além disso, a partir do mês que vem, os cartões para pagamento e saque passarão a chegar aos usuários pelos Correios, além de estarem disponíveis para os usuários nas redes varejistas Pão de Açúcar e Wall Mart, como ocorre hoje. A expectativa do executivo é apresentar o número de usuários ativos na plataforma em setembro e em 2014 passar para o roll out nacional, após testar alguns modelos diferentes em cada uma das cidades.

 

Com todas essas ações em andamento, a MFS mostra que, juntamente com a Oi, está à frente da concorrência em termos de pagamentos móvel no modelo de cartão pré-pago. Esta opção é direcionada à população não bancarizada, em um mercado onde Claro e TIM já colocaram o pé com seus respectivos parceiros do setor financeiro, mas ainda não avançaram na oferta ampla ao consumidor.

 

Por meio da parceria com o Banco do Brasil, a Oi lançou sua versão do cartão pré-pago recarregável, o Oi Carteira, aceito em toda rede Cielo, mas a operadora não dá maiores detalhes sobre a operação. “A Oi está focada em dar continuidade à sua parceria com o Banco do Brasil no lançamento de produtos financeiros com a funcionalidade de pagamento móvel”, informa.

 

“O pioneirismo é bom, mas tem seu preço. Hoje 70% das ligações no call center são de pessoas em frente à gôndola de divulgação do produto que querem tirar dúvidas”, explica Etchegoyen, da MFS.Para o executivo, a regulamentação da MP 615, de pagamentos móveis, que deve detalhar as obrigações de interoperabilidade dos sistemas, será positiva e  impulsionará o mercado: “isso é bom para a gente porque fortalece o eco-sistema”.

 

A opinião de Etchegoyen é compartilhada também pelas demais operadoras. “Vemos como positiva a interoperabilidade, mesmo sem regulamentação, a interoperabilidade entre emissoras, de uma rede de operadora para outra, é muito vantajosa, porque aumenta a adoção. Mesmo que não exista a obrigação é algo que vamos correr atrás”, declarou  Carlos Roseiro, diretor de serviços financeiros móveis da TIM Brasil. A operadora fechou uma parceria com a Caixa e Mastercard Brasil para cartão virtual pré-pago, e prometeu lançamento para o segundo semestre do ano.

 

Parcerias

Atualmente a Claro disponibiliza aos seus clientes o Bradesco Celular via SMS, que permite consultar saldo, últimos lançamentos da conta corrente e efetuar recargas pelo seu celular. Além disso, a operadora possui parceria com o Bradesco para o desenvolvimento de um moedeiro cobranded, assim como também já está em fase de testes os pagamentos via NFC. A Claro divulgou a parceria com a Bradesco em novembro de 2012.

 

Conforme projeção da Portio Research, o número de usuários de mobile payment no Brasil deve  dobrar em dois anos, chegando a 15% da população (30,3 milhões) em 2017, partindo de um patamar de 5% da população (16,4 milhões) até o final deste ano, incluindo os pagamentos por tecnologia de aproximação, a chamada NFC.

 

Tecnologia NFC

Se a TIM ainda não tem um piloto de seu projeto de Mobile Money – o cartão pré-pago virtual – a operadora está avançando no modelo NFC. Está em andamento um piloto do pagamento com cartão de crédito TIM via NFC com o banco Itaú, MasterCard e RedeCard e outro com funcionários do Bradesco na rede Cielo, cada um com cerca de 50 usuários. A solução entrará em operação comercial até o final do ano, se não no Brasil inteiro, pelo menos em algumas grandes cidades.

 

O modelo via NFC não requer regulamentação e apenas substitui o cartão de plástico pelo virtual. A operadora ganha com a prestação do serviço de distribuição dos cartões virtuais. “Hoje o banco precisa distribuir o cartão por correio para casa dos clientes assumindo um alto custo. Com a implementação, a distribuição passa a ser via rede da TIM. A única receita é o serviço de telecomunicações que prestamos ao banco”, esclarece Roseiro. O executivo entende que, apesar da base de celulares com NFC ainda ser pequena, haverá um desenvolvimento natural, com os fabricantes de dispositivos móveis cada vez mais oferecendo alternativas em diversas faixas de preço.

 

Segundo pesquisa da IE Market Research, os pagamentos via tecnologia NFC corresponderão a 35% do mercado de pagamentos móveis global em 2015, quando as transações sob este modelo chegarão a 55,3 bilhões.

 

No universo NFC, a Oi, Claro e Telefônica também vêm realizando testes. “A Oi entende que o NFC é um complemento a outras formas de pagamento com celular, além de viabilizar uma diversidade de outras novas aplicações”, informou a operadora em comunicado.

 

Hoje, as máquinas da Cielo são habilitadas para a aceitação de transação com celulares Oi por meio do Cartão de Crédito Oi e do Oi Carteira. O número de Cartões de Crédito Oi emitidos já passa de 700 mil. Esse ano, o produto teve a venda em lojas Oi expandida para outros 12 estados. As adesões ao cartão passaram a estar disponíveis em lojas de Fortaleza e Juazeiro do Norte, no Ceará, no fim do ano passado. Desde o início de abril, outras 87 lojas, distribuídas por cidades de Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Roraima e Sergipe, também oferecem o Cartão de Crédito Oi.

Anterior Tentativas de fraudes com dados pessoais chegam a 1 milhão em seis meses
Próximos STJ barra nova tentativa de extinção do processo contra a Telexfree no Acre