Mercado de tablets voltará a crescer apenas em 2018


As vendas mundiais de tablets estão em queda há cerca de dois anos. E a retração deve continuar até 2018, conforme a mais recente projeção da IDC. A empresa de pesquisa de mercado levantou números do último trimestre e estima que 2016 será o segundo ano consecutivo de queda, com volumes de remessas 9,6% mais baixos.

A retomada sugerida para acontecer daqui a dois anos será movida pelo aumento da procura por “destacáveis”, aqueles tablets que trazem teclado removível. Atualmente, o segmento equivale a 16% das vendas globais de tablets, mas serão 31% em 2020. Segundo a empresa, a indústria já está se adaptando à percepção de que a vida útil do tablet é semelhante à dos PCs, ou seja, de cerca de quatro anos. Focar nos destacáveis é a oportunidade para aumentar o valor dos produtos.

Os dados da consultoria mostram, no entanto, grande variação dos líderes entre os sistemas operacionais para os tablets destacáveis. A Microsoft, que criou a categoria com o Surface Pro, verá o Windows encolher dos atuais 70% de mercado para 51% em 2020. O Androu, hoje presente em 16% dos destacáveis, crescerá para 20%. E a Apple, presente em 14% atualmente, terá 29% do segmento até lá.

Entre os tables “tradicionais”, sem teclado físico, o Android permanecerá líder isolado. Tem hoje 72%, e crescerá para 75%. O iOS, da Apple, vai cair de 25% hoje para 21% em 2020. E o Windows passará de 3% para 4% no período. A consultoria não divulgou estimativas de unidades que serão vendidas no período em destacáveis. Mas calcula vendas de 100 milhões de tablets comuns vendidos ao ano até 2020.

Anterior Cemig Telecom foca o mercado corporativo
Próximos Indústria venderá 1,48 bilhão de smartphones em 2016, prevê IDC