Mercado de infraestrutura de TI deverá encolher 8,5% em 2020


O mercado de infraestrutura de tecnologia da informação, que já vinha encolhendo, deverá ter novo tombo em 2020 em função da crise da Covid-19. Segundo projeção da consultoria IDC Brasil, a expectativa é de queda de 8,5% nas receitas do segmento, na comparação com 2019.

“Alguns projetos que deveriam ter acontecido em 2019 ficaram para 2020 e vão salvar o desempenho do primeiro trimestre. Mas no segundo trimestre o impacto será forte, o que vai puxar o mercado para baixo”, afirma o analista Thomas Campos.

A previsão é de um cenário mais positivo para o segmento de redes, especialmente em roteadores para as grandes operadoras, por conta da alta demanda de home office durante o período de isolamento social. “No terceiro trimestre já podemos esperar uma retomada, mesmo que lenta, com uma normalização dos negócios no quarto trimestre”, finaliza. Isso caso a pandemia esteja sob controle.

PUBLICIDADE

Sequência de quedas

Se o cenário é de encolhimento neste ano, a boa notícia é que o cálculo da consultoria mostra uma retração menor que a tida em 2019. No ano passado, o mercado de infraestrutura de TI caiu 15,2%, conforme dados consolidados divulgados hoje, 16. A receita total do segmento foi de US$ 1,4 bilhão.

“A queda era esperada. A mudança de governo impactou os negócios em 2019, principalmente no início do ano, com a expectativa da Reforma da Previdência. Mas, com o passar dos meses e a postergação da medida, empresas privadas e o próprio governo optaram por aguardar para voltar a investir”, explica Campos.

Segundo ele, no segundo semestre, principalmente no último trimestre, o governo fez alguns investimentos em soluções de redes e segurança, mas não o suficiente para salvar o mercado da queda.

Segmentos que cresceram em 2019

Segurança e redes foram, inclusive, os únicos segmentos a registrarem alta em 2019: o mercado de redes cresceu 4,4% e o de aplicações de segurança, 3%, na comparação com 2018. O faturamento, respectivamente, foi de US$ 659,9 milhões e US$ 219,7 milhões. Já os mercados de servidores e armazenamento externo tiveram queda de 10,6% e 5% com receita de US$ 482 milhões e US$ 301,3 milhões, respectivamente.

Para o analista da IDC Brasil, a preocupação com segurança começou a crescer com a proximidade da Lei Geral de Proteção de Dados, cuja entrada em vigor deve ser adiada para janeiro de 2021 por conta da pandemia de covid-19. Esse segmento faturou US$ 61,6 milhões só no quarto trimestre de 2019, alta de 5,1% em relação ao mesmo período de 2018.

Já o setor de redes teve aumento devido ao maior investimento em roteadores por operadores regionais. “Existem milhares de operadoras espalhadas pelo interior do país e notamos um crescimento da demanda por esses equipamentos”, diz Campos. No quarto trimestre de 2019, por exemplo, os roteadores tiveram alta de 4,4%, na comparação com o mesmo período de 2018, e receita de US$ 80,8 milhões. O mercado de infraestrutura no último trimestre de 2019 registrou alta de 0,6%, com US$ 421,4 milhões de faturamento.

Anterior STJ nega pedido para interromper monitoramento por celular em São Paulo
Próximos Oi contrata quatro novos diretores: de atacado, auditoria, comunicação e estratégia