MCTIC quer isentar serviços de telecom e energia para atrair data centers


Data centers construídos aqui teriam ainda prioridade na alfândega para importação de equipamentos, isenção de impostos sobre máquinas, construção e serviços, além de certificação do hardware simplificada na Anatel

equinix-data-center-colocation-sp3

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) decidiu colocar o data center entre suas prioridades. O departamento jurídico da pasta já está finalizando os ajustes de um texto que poderá ser transformado em projeto de lei e encaminhado ao Congresso Federal, ou em decreto presidencial.

A minuta vem sendo preparada há um ano. Prevê uma série de benefícios para quem decidir instalar no Brasil, ou ampliar, data centers. As empresas do segmento poderão ter:

  • Isenção de PIS/Cofins, IPI II e IF incidentes sobre a compra de equipamentos, material de construção e serviços
  • Isenção de PIS/Cofins para serviços de telecomunicações e de energia
  • Isenção da CIDE-Royalties
  • Depreciação e amortização acelerada e integral no próprio ano da aquisição de máquinas e equipamentos
  • Tratamento aduaneiro prioritário na importação de bens destinados aos data centers
  • Flexibilização das exigências de certificação e homologação de equipamentos pela Anatel.

Tributos

Destaque para a isenção de PIS/Cofins para serviços de telecomunicações e energia. Medida que transborda os data centers e beneficia também as operadoras e distribuidoras. Segundo Artur Coimbra, diretor de banda larga do MCTIC, todas as propostas estão embasadas em estudos. Estes apontam que as desonerações seriam capazes de atrair e ampliar o mercado local, compensando as renúncias fiscais embutidas.

Segundo ele, é urgente acelerar o mercado de data centers locais pelo impacto positivo que têm na economia, além de facilitar a inserção internacional do Brasil no fluxo internacional de dados.

“Uma política para data centers pode atrair investimentos, gerar empregos em massa de profissionais altamente capacitados, melhorar a qualidade do acesso à internet, gerar economias no trânsito internacional IP de ao menos 15%, e trazer segurança jurídica , aumentar a produtividade e o crescimento econômico”, diz.

Trâmite

O MCTIC ainda não sabe qual o melhor destino dar à minuta. Uma opção é transformá-la em projeto de lei. Neste caso, o texto seria encaminhado ao Congresso. Precisaria passar pelas comissões até ser aprovado.

Mas, em meio ao clima de toma lá, dá cá, o governo tende a focar na aprovação de reformas. Depois da reforma da previdência, há ainda a reforma política e, depois, a reforma tributária.

“Pode ser que o setor se una e consiga incluir essas propostas na reforma tributária”, lembra Coimbra. Por isso mesmo, ele prefere não estimar prazos. Afirma que até o final do ano o texto estará pronto para ser enviado ao Congresso ou transformado em decreto.

Anterior Congresso prorroga MP da Refis mas mantém data de adesão até 31 de agosto
Próximos Para Diniz, da Anatel, TAC e saldo da migração são polêmicos

1 Comment

  1. Matheus Dilon
    8 de agosto de 2017

    Tomara que passe! O Brasil precisa evoluir urgentemente os serviços conectados por aqui!