MCTIC lança novo programa para cidades inteligentes ainda em 2019


Até o final do ano, entrará em operação a Câmara Brasileira de Cidades Inteligentes Sustentáveis que implementará as diretrizes e definições de indicadores do novo projeto criado pelo MCTIC em parceria com o MDR

Até o final deste ano, entrará em operação a Câmara Brasileira de Cidades Inteligentes Sustentáveis que implementará as diretrizes e definições de indicadores do novo Programa Brasileiro para Cidades Inteligentes Sustentáveis, criado pelo Ministério de Ciência Tecnologia Comunicação e Inovação (MCTIC) em parceria com o Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR). “O acordo de cooperação técnico está pronto para ser assinado, só falta casar as agendas dos dois ministros”, explicou Wilson Diniz Wellisch, diretor do departamento de inclusão digital da Setel/ MCTIC, durante o 21 edição do Wireless Mundi.

Esse novo programa, que segue o modelo estabelecido pela UIT, substituirá o Programa de Cidades Digitais iniciado em 2012, que tinha como foco levar infraestrutura de fibra óptica aos municípios brasileiros. Hoje são 160 cidades contempladas, sendo 72 em fase piloto e 88 já com serviços implantados. “Um dos grandes problemas do projeto foi terem contratado empreiteiras em vez de empresas de tecnologia, mais capacitadas para implementar os projetos”, explicou Wellisch.

Uma vez estabelecidas as diretrizes, será publicado o decreto com a definição da governança e dos principais representantes da Câmara, como o poder público federal, estadual e municipal, academia, indústria, setor privado e o próprio cidadão.

A Rede Nacional de Pesquisa (RNP) e o Instituto Renato Acher, que conta com uma equipe multidisciplinar, já foram contratados para desenvolver um sistema que se propõe a identificar o grau de maturidade das cidades. Ao preencher um formulário eletrônico, as cidades terão a oportunidade de tecer considerações sobre suas reais necessidades referentes à segurança, mobilidade urbana entre outros itens.

O MCTIC ficará encarregado de padronizar, integrar e operacionalizar as soluções. “Nossa expectativa é que o sistema, que terá orçamento de R$ 1 milhão na fase inicial, seja lançado até junho de 2020”, afirma. Segundo ele, as cidades que já participam do programa anterior serão beneficiadas, pois já contam com infraestrutura própria.

A 21ª edição do Wireless Mundi foi realizada pela Momento Editorial com o patrocínio do BNDES e da Furukawa e apoio da Claro, TIM,  Prefeitura de Guarulhos e Abrap .

 

 

 

Anterior Telefónica México fecha acordo com a AT&T para utilizar rede móvel da concorrente
Próximos Governo cria comitê de apoio às startups

1 Comment

  1. 22 de novembro de 2019
    Responder

    Essa iniciativa vai reforçar bem a co municação, pois esta vulnerável e preciso ser mais conclusiva sem tan tos debates.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *