Marcos Pontes avisa que só Bolsonaro pode decidir o futuro da Huawei no Brasil


Barcelona – “O Ministério da Ciência e Tecnologia não tem como fazer qualquer interferência geopolítica. A nossa posição é mais técnica. A decisão sobre a fabricante chinesa Huawei caberá ao presidente Bolsonaro”. Assim respondeu o ministro Marcos Pontes hoje, 26, no MWC19, a perguntas de jornalistas sobre como o seu ministério vai se posicionar frente a disputa que está sendo travada pelos blocos norte-americano e britânico contra a fabricante de equipamentos de telecomunicações chinesa, a Huawei, que tem uma forte presença no Brasil.

Ao lavar as mãos sobre o assunto, o ministro deixa a decisão para a esfera político-ideológica, sem perceber que hoje as maiores operadoras de telecomunicações brasileiras têm uma grande dependência  tecnológica da Huawei e seu banimento poderia não só encarecer o produto para as teles, como também adiar a implementação de novas tecnologias no Brasil, entre elas a 5G.

Até o dia de hoje, por sinal, havia um ensurdecedor silêncio dos mais de 2 mil fabricantes e 100 mil executivos e técnicos  na maior feira de telecomunicações do mundo sobre esta disputa geopolítica e comercial.  O presidente da Nokia, Rajeev Suri,  foi o único a tratar do assunto, ao dizer que nada atrasaria o avanço das novas tecnologias.  Mas a Nokia é a fabricante mais agressiva na tomada de posição em defesa do núcleo duro e do banimento do mercado ocidental de sua maior concorrente.

Mas hoje, durante a feira, essa aparente indiferença setorial foi quebrada pelo chairman da Huawei, que em um discurso preparado e enfático, disse que os Estados Unidos estariam agindo contra a empresa sem qualquer evidência. “Nossos equipamentos não têm backdoor”, afirmou o executivo. Backdoor são métodos secretos de vigilância  criados pela indústria de TI

Europa

A Europa mantém uma posição dividida sobre essa disputa. Enquanto alguns governos estão mais alinhados a possibilidade de banimento da fabricante chinesa, outros nem tanto. E as operadoras de celular menos ainda.

Recentemente a Deutsche Telecom publicou um estudo que afirmava que o banimento da Huawei iria provocar o adiamento da 5G na Alemanha em pelo menos três anos.

A GSMA, organização criada por fabricantes e operadores de celular para disseminar a tecnologia móvel, prefere não se posicionar diretamente sobre o tema.

Mas o diretor de Políticas Públicas para a AL da GSMA, Lucas Gallito, avalia que não seria bom para a região a redução no número de fornecedores.

Anterior Presidente rotativo da Huawei provoca EUA: "Nunca houve tanto interesse em nós"
Próximos TIM e Telecom Infra Project anunciam resultado de RFI em redes móveis

2 Comments

  1. wanderson
    26 de Fevereiro de 2019

    A China preocupa os USA pelo crescimento tecnológico fantástico que eles vem mostrando. Os USA monitoram o mundo com o programa cinco olhos como denunciado por Edward Snowden. Sobra apenas a arrogância dos USA e a chantagens.

  2. Rogério Pires
    27 de Fevereiro de 2019

    Os americanos estão com receio de perderem o protagonismo mundial no setor (na verdade já perderam), e se valem das mais variadas formas e meios para desqualificar os produtos chineses. Longe de confiar cegamente nos chineses (visto seu regime político), creio que tecnologicamente existem meios para se certificar e atestar a tecnologia empregada. Discussão puramente comercial, com viés ideológico e protencionista.