Maranhão tem o menor número de celulares e o Distrito Federal lidera com mais de dois aparelhos por habitante


 

A base da telefonia celular brasileira também reflete os contrastes econômicos e as desigualdades regionais do país. Conforme os dados da Anatel, o Brasil fechou o mês de outubro com 269,92 milhões de acessos móveis ativos, o que representa uma densidade média (acessos por 100 habitantes) de 136,06 aparelhos. Mas há diferenças regionais muito grandes. O Maranhão é o estado com o menor número de conexões em poder de seus cidadãos, bem abaixo da média brasileira. A densidade de celular no Maranhão é de 98,35 acessos por 100 habitantes, a menor do país. A maior concentra-se no Distrito Federal, também bem acima da média brasileira, com mais de dois celulares por habitante: 221,0 como densidade média.

 

Embora a região Sudeste, por mais populosa, concentre o maior número de acessos ativos – 119,88 milhões – a maior teledensidade está na região Centro-Oeste, devido ao alto índice da Capital do país. Na região Centro-Oeste a densidade média é de 160,57 para cada 100 habitantes, contra 144,67 na região Sudeste. A região Sul vem em terceiro lugar, com 137,29. A região  Norte tem um pouco mais de aparelhos em relação a sua população do que a Nordeste. A densidade da região Amazônica é de 120,92 e a da Nordeste é de 120,55.

 

Competição


Do ponto de vista da competição, a Vivo, que tem a liderança do mercado brasileiro, com market share nacional de 28,67%, é líder disparada na Região Norte, com 41,98% do mercado. Mas assume a última posição na região Nordeste, onde tem participação de mercado de apenas 15,67%. Este desempenho se deve ao fato de que a Vivo foi uma das últimas empresas a entrar nesse mercado. Lidera ainda a região Sudeste, com 33,38% do market share, informa a Anatel.

 

A TIM, segunda colocada no mercado nacional de telefonia móvel, tem o seu melhor desempenho nas regiões Sul, liderando o mercado com 34,81% do market share e  Nordeste, onde também é líder de mercado, com 29,28% do market share. A Claro, por sua vez, a terceira colocada, lidera com folga o mercado do Centro-Oeste, onde possui 37,15% da cota de mercado.

 

A Oi, quarta colocada no mercado nacional, tem o seu melhor desempenho na região Nordeste, onde mantém a terceira posição, com 27,27% de market share. A sua cota de mercado nacional é de 18,56%. ( Da redação).

Anterior Pacto contra matérias que aumentam gastos pode facilitar votação do Marco Civil da Internet
Próximos Embrionária, banda larga por fibra na América Latina deve chegar a 11,8 milhões de linhas em 2018